Publicidade
Manaus Hoje
ESTUPRO

‘Eu já tava fumando droga na Bíblia’, diz ‘Maníaco do Ben-Hur’ preso por estupro

Denny Vieira, 30, foi preso no Careiro da Várzea. Ele agia no conjunto Ben-Hur, na Cidade de Deus, em Manaus 17/10/2017 às 17:40 - Atualizado em 17/10/2017 às 18:47
Show 84
Foto: Jander Robson
Fábio Oliveira Manaus (AM)

“Eu já tava (sic) fumando droga na Bíblia. Eu já estava enlouquecendo da minha cabeça”. Com essas palavras Denny Vieira da Silva, 30, que ficou conhecido como “Maníaco do Ben-Hur”, definiu os crimes dos quais é acusado: estupros de mulheres no conjunto Ben-Hur, no bairro Cidade Nova, Zona Norte da capital. Denny costumava usar uma Bíblia nas mãos para ganhar confiança das vítimas antes de estuprá-las.

Segundo a polícia, o “Maníaco” foi preso na madrugada desta terça (17) no município de Careiro da Várzea, a 25 quilômetros de Manaus, em uma comunidade conhecida como Curari, onde só se tem acesso por barco, segundo informou o delegado David Jordão, do 35º Distrito Integrado de Polícia. De acordo com o delegado, o homem chegou à comunidade após percorrer mais de 8 quilômetros a pé, o que foi confirmado pelo próprio suspeito.


Foto: Jander Robson

“Eu passei um mês dentro da mata, comendo folha e bebendo água da lama para sobreviver e depois me entregar para pagar meu ato que cometi”, disse. De acordo com Denny, ele usava drogas antes de cometer o crime. “Eu estava drogado, perguntei o horário dela (vítima). A outra que veio e eu falei ‘mana, a polícia ta (sic) atrás de mim, eu acabei de roubar vai embora’ e (ela) foi embora”, disse. Denny confessou apenas um dos quatro estupros que era acusado.

Acolhido no interior

Conforme com a autoridade policial, um morador da região acolheu o “Maníaco do Bem-Hur” dentro de casa, pensando que o mesmo era “um bom homem”. “O pessoal do interior tem um bom coração e um deles o acolheu, mesmo sem o conhecer. No entanto, ele começou a usar drogas e causar badernas simples e a Polícia Militar foi acionada. Na delegacia, descobrimos que era procurado em Manaus”, explicou. O maníaco confessou apenas um estupro.


Foto: Jander Robson

Antes de ser identificado, o “Maníaco” tentou enganar a polícia ao se identificar com o nome do irmão dele. “Na delegacia, Denny se identificou com o nome do irmão dele, já falecido. Desconfiamos da identidade por ele aparentar ter mais idade que a relatada em depoimento. Ao longo da oitiva, o indivíduo resolveu relevar o verdadeiro nome. Após consulta, verificamos a existência, em aberto, do mandado de prisão preventiva em nome do infrator”, explicou o delegado Jordão.

Estupros cometidos

Uma das vítimas do “Maníaco” é uma mulher de 26 anos que foi estuprada no dia 16 de setembro deste ano quando estava indo trabalhar. Ela foi abordada pelo suspeito em via pública e também foi roubada. Denny vestia calça preta social, blusa preta e carregava uma Bíblia na mão. O caso aconteceu em uma rua do conjunto Ben-Hur.

Entretanto, segundo o delegado Jander Mafra, antigo titular do 13º Distrito Integrado de Polícia (DIP), e que era responsável por investigar o caso, outra mulher formalizou denúncia contra Denny dizendo quase ter sido estuprada também no dia 16 de setembro no conjunto Bem-Hur. Ela afirmou à polícia que estava na rua Safira quando o infrator tentou estuprá-la. Entretanto, ele teria desistido de consumar o ato e fugiu levando o celular dela.


Foto: Divulgação/Polícia Civil

“Recebemos denúncias dessas duas mulheres, mas nós temos informações de que existem outras vítimas. Temos, ainda, informações de que no bairro Colônia Antônio Aleixo ele tenha cometido outros estupros. Por isso, pedimos às vítimas que compareçam ao 13º DIP, de preferência nesta quarta-feira (18) para que possam fazer o reconhecimento dele”, pontuou Jander Mafra.

Conduzido ao presídio

Por conta do mandado de prisão preventiva no nome dele, Denny será conduzido para o Centro de Detenção Provisória, onde deve permanecer com os demais internos que respondem pelo mesmo crime. “Vamos ouvi-lo novamente e depois será levado para o presídio”, disse o delegado Jander Mafra, responsável pela investigação.

Publicidade
Publicidade