Publicidade
Manaus Hoje
NO VELÓRIO

Familiares acusam PMs de terem efetuado disparo que matou assistente social

Velório da vítima ocorreu na manhã desta quinta (21). Assistente social foi morta ontem em tiroteio, mas familiares afirmam que tiro partiu de arma da polícia. Polícia Civil deve realizar perícia para apurar origem do tiro 21/07/2016 às 10:46
Show enterro
Após ser baleada, jovem caiu em barranco com veículo (Foto: Nilton Ricardo)
Joana Queiroz Manaus (AM)

Familiares da assistente social Thammyrys Alexandre, 24, morta durante um tiroteio na rua Corina Dantas, bairro Compensa, Zona Centro-Oeste, acusam os policiais da Polícia Militar de terem efetuado o disparo que matou a mulher na quarta-feira (20). O velório da jovem ocorreu na manhã desta quinta-feira (21). A Polícia Civil deve realizar uma perícia para apontar a origem do tiro.

Em nota distribuída à imprensa ontem, a PM afirmou que um dos infratores tentou pegar de assalto um carro onde estava Thaís, a qual foi atingida por um disparo de arma de fogo, vindo a falecer. Ainda segundo a PM, possivelmente a vítima tentou reagir a tentativa de roubo e os acusados atiraram.

No entanto, a família da vítima contesta a versão da polícia. De acordo com o cunhado da assistente social, Henri Braga, 26, o projétil que atingiu o corpo da vítima saiu de uma pistola PT 40, arma de uso restrito das polícias Civil, Militar e Rodoviária Federal.

O cunhado reclamou ainda da demora do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que segundo ele, apesar de ficar a dois quarteirões do local do crime, levou 40 minutos para chegar.

O velório da vítima acontece na igreja Santa Rosa de Lima, no conjunto Xingu, bairro Compensa. Segundo a família, o sepultamento de Thammyrys ainda não tem previsão para acontecer. Eles ainda aguardam a chegada do pai da vítima, que vinha especialmente para a formatura da irmã dela. No local, todos estavam abalados com a morte da assistente social.

Tiroteio

Um tiroteio entre policiais e bandidos interrompeu os sonhos da jovem assistente social Thammyrys Alexandre, 24, que foi morta com um tiro na barriga na tarde de ontem. De acordo com familiares, a vítima estava indo para o salão de beleza se arrumar para a colação de grau em Direito da irmã, Thais Alexandre.

Conforme informações da PM, os assaltantes estava cometendo arrastões em paradas de ônibus na avenida Brasil e, na fuga, entraram no conjunto.

"Eles a abordaram provavelmente para tomar seu veículo para ajudar na fuga. Tudo indica que ela teria levado um susto com a ação e tentou fugir [quando foi atingida]", disse o soldado Fragoso, que esteve no local ontem.

Nesse momento teria ocorrido uma intensa troca de tiros entre os PMs e os bandidos. Moradores do conjunto disseram que ouviram mais de 10 disparos. Após ser atingida, Thammyrys teria perdido o controle do veículo e avançado com o carro para dentro de um barranco de um terreno.

Policiais do 8º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) estiveram no local. De acordo com o delegado Gerson Aguiar, titular do 8º DIP, apenas uma perícia poderá comprovar se o tiro que matou Thammyrys Alexandre partiu da arma dos bandidos ou dos policiais.

Publicidade
Publicidade