Publicidade
Manaus Hoje
HOMICÍDIO

Feirante é assassinado com tiro no peito e bilhete é encontrado ao lado do corpo

“Relacionamentos nunca morrem de morte natural. Eles são assassinados”, consta no papel. Segundo familiares, a esposa da vítima arquitetou o crime 26/02/2019 às 12:39 - Atualizado em 26/02/2019 às 14:44
Show 2966b5cf e40c 4108 8eda f9ff274dde7f 0b434a60 3363 4b8f b85c 5e6e9b764936
Foto: Jander Robson
Márcia Monteiro Manaus (AM)

O feirante Vanderley Cunha de Souza, de 46 anos, foi assassinado com um tiro no peito na noite dessa segunda-feira (25), em Manaus, dentro da casa dele, na rua Castanho, bairro São José 2, na Zona Leste da cidade. Segundo familiares, o crime foi arquitetado pela companheira da vítima, Kelly Fabriciane de Oliveira, 40, e executado pelo filho e genro da mulher. Até o momento ninguém foi preso.

Um bilhete foi encontrado ao lado do corpo com dizeres sobre relacionamentos amorosos. Conforme os familiares do feirante, o motivo do assassinato foi ciúmes. “Relacionamentos nunca morrem de morte natural. Eles são assassinados por mentira, engano, desrespeito, egoísmo, ciúmes, insegurança ou mau caráter”, consta no papel.

De acordo com o irmão da vítima, que não quis se identificar, por volta das 21h50 de ontem (26) câmeras de segurança registraram quando Kelly chegou à residência onde morava com a vítima. Pelas imagens, segundo o parente do feirante, a mulher fica ao telefone e, em seguida, abre a porta da residência para o filho e o genro entrarem. Minutos depois, os três saem juntos do local. Depois a vítima foi encontrada morta no local.

“Ela era muito ciumenta. Domingo eles brigaram feio porque ela não aceitava que ele bebesse. Tiveram uma luta corporal e provavelmente pode ter sido por isso que o filho dela foi matar ele”, disse o irmão da vítima.

Outro familiar que não quis se identificar informou que Kelly já havia se separado do feirante, mas não aceitava o término do relacionamento. As imagens das câmeras de segurança já estão em posse da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), que investiga o caso. Os suspeitos do crime estão sendo procurados.

Publicidade
Publicidade