Publicidade
Manaus Hoje
ASSASSINATO

Mecânico morre após ser alvejado no pé e bater cabeça em sarjeta, em Manaus

Dois homens amigos de infância da vítima são suspeitos do crime. O motivo foi porque o mecânico deixou o celular de um dos assassinos cair no chão 15/02/2018 às 14:57 - Atualizado em 15/02/2018 às 14:59
Show homem
Alex morreu na noite dessa quarta-feira (14) (Foto: Divulgação)
Conceição Melquiades Manaus (AM)

O mecânico Alex Junio Oliveira da Silva, 23 anos, foi morto na noite dessa quarta-feira (14), em Manaus, após ser alvejado com um tiro no pé e bater a cabeça em uma sarjeta, na rua Aluízio Brasil, bairro Petrópolis, Zona Sul de Manaus. Dois homens amigos de infância da vítima, identificados como “Dogão” e “Lukinha”, são suspeitos de cometerem o crime.

De acordo com o tio da vítima, Edilson Barbosa de Oliveira, o filho dele, um jovem de 16 anos e Alex Junio saíram para brincar o carnaval com “Dogão” e o “Lukinha”, vizinhos e amigos de infância. Na noite de terça-feira (13), Dogão pediu para que Alex segurasse o celular dele. Junio deixou o aparelho cair e quebrar, o que deixou Dogão aborrecido. O homem queria que a vítima pagasse o conserto do aparelho e cobrou R$ 500.

“O Dogão veio aqui na porta de casa por volta das 8h. Ele queria R$ 500, por conta do prejuízo que teve com o celular dele. Já veio ameaçando meu sobrinho várias vezes, bateu aqui em casa armado e tentou me intimidar também”, disse Oliveira, relatando que se comprometeu em pagar o conserto, mas que precisava de um prazo para conseguir o dinheiro.

Oliveira também relatou que os “meninos”, Dogão e Lukinha respondiam por tráfico de drogas e que são ex-presidiário, foragidos da polícia. Entretanto, segundo o tio da vítima, eles conviviam pelo bairro normalmente e sempre bebiam com o sobrinho. “Eles cresceram todos juntos, eram amigos”, contou.

Ao anoitecer, por volta das 20h, a dupla armada retornou à residência da vítima e cobrou os R$ 500. Dogão atirou no pé de Alex Junio. Todos correram e, na confusão, Alex caiu, cerca de 200 metros de distância da própria casa, bateu a cabeça e ficou desfalecido. “Quando vi meu sobrinho no chão, corri para acudir. Ligamos para o 190, pedimos uma ambulância que nunca chegou aqui”, disse o tio da vítima.

Os familiares conseguiram pegar um veículo e levar Alex Junio para Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, mas o mecânico não resistiu ao impacto na cabeça e morreu antes de chegar ao hospital. Policiais do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) registraram a ocorrência e acionaram a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para investigar o caso. A dupla permanece foragida.

Publicidade
Publicidade