Publicidade
Manaus Hoje
Mais um inocente

Menino de 7 anos é esfaqueado no rosto por madrasta, em ato de vingança

O motivo do crime seria um desentendimento entre o pai do menino e a mulher, que para se vingar golpeou o garoto. Após sofrer golpes na boca, agora ele fala com dificuldades 04/07/2016 às 21:22 - Atualizado em 05/07/2016 às 09:09
Show u
O crime aconteceu na comunidade São Lucas, bairro São José, na Zona Leste (Foto: Reprodução)
Kelly Melo Manaus (AM)

A Polícia Civil está investigando a conduta de uma mulher de 31 anos, que, no último sábado (2) esfaqueou o enteado, de 7 anos, devido a um desentendimento com o pai da criança. O menino sofreu dois golpes na boca e agora está falando com dificuldades.

O crime aconteceu na comunidade São Lucas, bairro São José, na Zona Leste. A mãe da vítima, uma cabeleireira de 22 anos, relatou que tinha deixado os dois filhos (de 5 e 7 anos) passarem o final de semana com o pai, quando recebeu a notícia de que um dos meninos havia sido agredido fisicamente.

“Ela nunca gostou dos meus filhos. Na sexta-feira, ela e o pai das crianças brigaram porque eles tinham ido lá na casa deles e no sábado de manhã, ela fez isso com o meu filho mais velho por vingança”, afirmou a mãe do garoto.

De acordo com ela, após a briga, a madrasta teria saído de casa para beber e cometeu o atentado contra o menino embriagada e, possivelmente, drogada. “Quando eu soube, fui logo atrás de ver como o menino estava. Eles nem levaram a criança para o hospital. Eu que levei depois porque ele estava sangrando muito”, disse a mãe.

O rosto do menino ficou desfigurado e levou cinco pontos. Ele deverá passar por uma cirurgia para reconstruir a face. “Tudo o que eu quero é que a justiça seja feita porque essa mulher não pode ficar impune”, cobrou a mãe da vítima.

Ouvida e solta

Os policiais militares da 14ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foram acionados e chegaram a conduzir a madrasta do menino à Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca), no bairro Planalto, na Zona Centro-Oeste.

No entanto, a mulher foi ouvida e liberada em seguida, após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

A delegada titular da Depca, Juliana Tuma, esclareceu que as providências estão sendo tomadas. “Estamos aguardando o resultado do laudo pericial para confirmar a gravidade da lesão. Se for constatado que se trata de uma lesão grave, vamos converter o caso em inquérito policial”, afirmou.

Segundo Tuma, a informação preliminar que a especializada recebeu foi de que os golpes que atingiram o garoto foram acidentais, visto que o alvo seria o pai dele.

“Foi feito um TCO porque houve uma lesão corporal culposa, ou seja, o foco da autora não era a criança, mas o atingiu acidentalmente”, explicou, reforçando que o caso está sendo analisado com todo o cuidado. Ela também afirmou que o laudo deve ficar pronto em até 30 dias.

Atenção especial

O comandante da 14ª Cicom, capitão Daniel Segadilha, afirmou que a PM cumpriu o seu dever e auxiliou os familiares da criança, inclusive, os levando até um hospital para socorrer o garoto. Segadilha afirmou ainda que hoje encaminhará um documento ao Conselho Tutelar descrevendo a ocorrência e solicitando que a criança receba uma atenção especial, uma vez que o menino está em situação de risco.

Publicidade
Publicidade