Publicidade
Manaus Hoje
DENUNCIADO

Motorista é investigado por crime de estupro contra jovem de 23 anos na Zona Norte

Marcelo da Silva Sousa, de 22 anos, disse em depoimento que fez sexo com consentimento da jovem. Ela diz que foi estuprada e teve o celular roubado 04/05/2018 às 21:18 - Atualizado em 05/05/2018 às 17:05
Show motorista
Foto: Jander Robson
Fábio Oliveira Manaus (AM)

O motorista Marcelo da Silva Sousa, de 22 anos, é investigado pelo crime de estupro contra uma mulher de 23 anos.  O caso aconteceu no dia 22 de abril deste ano, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus. Entretanto, somente nesta sexta-feira (04) policiais do 13º Distrito Integrado de Polícia localizaram o suspeito. 

Ele, que no dia do crime fazia corridas pela Uber usando cadastro de um amigo, é acusado pela vítima de estuprá-la dentro de um táxi, modelo Siena, na madrugada do dia 22, após ter solicitado uma corrida. A informação foi repassada pelo delegado Raul Augusto Neto, titular do 13º DIP. Segundo ele, a vítima relatou em depoimento que dentro do carro foi abusada sexualmente no banco de trás.

“Ela conta que dentro do carro ela sentou do lado dele e seguiram a corrida, mas que ele quando parou para abastecer, próximo ao IML, a puxou pelo braço, a colocou no banco de trás e consumou o ato. Em seguida, pegou o celular dela e a jogou para fora do veículo”, explicou o delegado. A vítima de 23 anos fez exames de conjunção carnal e corpo de delito, que devem ficar prontos na segunda-feira (7).

Segundo o delegado, Marcelo foi detido em sua residência, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, após uma investigação por conta do desaparecimento do celular da vítima. “A princípio não sabíamos da história do estupro. Um investigador da minha unidade estava tentando localizar esse aparelho e, quando o encontrou, a pessoa com quem estava havia dito que tinha sido comprado de Marcelo, então essa pessoa nos forneceu o endereço de Marcelo e o localizamos”, explicou.

Na delegacia, o suspeito confessou que havia pegado o celular da vítima como forma de pagamento por conta da corrida e que também havia feito sexo com o consentimento dela. “Segundo Marcelo, que usava um táxi, ele pegou a moça em uma casa de festas, no Novo Aleixo, e quando chegou próximo ao IML, na Cidade Nova, ela o beijou no pescoço e acabaram fazendo sexo. Ele confirma a relação, mas na hora de ir embora, ele perguntou do pagamento e ela disse que não iria pagar porque já tinha feito sexo com ele”, contou o titular do 13º DIP.

Ainda segundo o delegado, Marcelo em seguida teria exigido o dinheiro, mas como não houve pagamento, tomou o celular e a empurrou do carro. Ele foi indiciado por lesão corporal e exercício arbitrário (quando se toma algo em forma de pagamento) e também deve ser investigado pelo suposto crime de estupro, que ficará sob responsabilidade do 25º Distrito Integrado de Polícia.

Nota da Uber

A Uber repudia qualquer tipo de violência contra mulheres e não tolera qualquer comportamento criminoso na plataforma. O acusado em questão foi banido da plataforma em março deste ano, portanto não poderia dirigir mais utilizando o nosso aplicativo.

Para que todas as viagens da Uber disponham das ferramentas de tecnologia e camadas de segurança, é fundamental que o usuário não aceite e denuncie quando informações do motorista parceiro que vai buscá-lo, como nome, foto, além de modelo, cor e placa do veículo, não estiverem de acordo com as informações dadas pelo aplicativo. Nenhuma viagem com a plataforma é anônima e todas são registradas por GPS. Isso permite que em caso de incidentes nossa equipe especializada possa dar o suporte necessário, sabendo quem foi o motorista parceiro e o usuário, seus históricos e qual o trajeto realizado.

Seguimos à disposição para colaborar com as autoridades no curso de investigações ou processos judiciais.

Publicidade
Publicidade