Publicidade
Manaus Hoje
Desde 2010

Mototaxista é preso por estuprar ex-enteada de 14 anos no município de Coari

Segundo a vítima, o ex-padrasto cometia os abusos desde 2010, quando ela tinha oito anos. O último crime ocorreu este mês, após a adolescente sair da escola e ser levada a um motel 20/07/2016 às 15:44
Show 6e96dba8 c334 48c1 a982 82eb5d880a71
O mototaxista negou que tenha praticado os estupros (Foto: Divulgação)
acritica.com

A Polícia Civil do Amazonas prendeu em cumprimento de mandado de prisão preventiva o mototaxista Revelino Souza da Silva, 28, denunciado por estupro de vulnerável contra a ex-enteada dele, uma adolescente de 14 anos. Segundo a vítima, os abusos sexuais ocorriam desde que ela tinha oito anos.

O mototaxista foi preso na manhã de hoje, quarta-feira (20), por volta das 9h30, na rua Maria Góes, bairro Urucu, em Coari. A ação de investigação e prisão foi feita pela equipe de investigação da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, município distante 363 quilômetros em linha reta da capital, sob o comando do delegado titular da unidade policial, Mauro Duarte.

Em depoimento na delegacia, na última semana, a vítima relatou que vinha sendo estuprada pelo então padrasto desde 2010, quando ela tinha oito anos. Por conta disso, o delegado representou o pedido de prisão em nome do infrator.

“Na última quinta, a adolescente teria criado coragem e contado para a mãe sobre os abusos, que eram recorrentes, sempre que a mulher se ausentava da casa para ir trabalhar. A adolescente afirmou, ainda, que tinha medo de Revelino, pois ele a ameaçava de morte caso ela contasse o que acontecia entre eles para alguém”, explicou a autoridade policial.

Conforme o delegado, a mãe da garota argumentou que morou com o mototaxista durante oito anos e que está separada dele há três meses. Mesmo assim, segundo a vítima, os estupros teriam continuado. “No dia 8 deste mês a adolescente afirmou que ao sair da escola o infrator a aguardava e a levou até um motel, onde a teria estuprado mais uma vez”, ressaltou o delegado.

Revelino negou, em depoimento, que tenha praticado os estupros. Ele foi indiciado por estupro de vulnerável. Ao término dos procedimentos legais na delegacia ele será encaminhado à Unidade Prisional de Coari, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade