Publicidade
Manaus Hoje
AMEAÇAS

Mulher acusa familiares de ex-marido de coagi-la para mudar versão de estupro

Cabeleireira chegou a mudar versão sobre o estupro na última terça (8) após, segundo ela, ser ameaçada por familiares do ex-marido 10/01/2019 às 01:03
Show deccm 9dc481e2 a2fc 414e 9267 d96479cf922f
Foto: Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

A cabeleireira de 24 anos que acusou o ex-marido de estupro no último domingo (6) voltou na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) para denunciar mais um crime: de que familiares do ex-companheiro, Orlaison Barbosa Souza, 31, estariam a coagindo para mudar a versão sobre o crime. Na tarde de terça-feira (8), ela alegou que o sexo foi com o consentimento do ex e que havia o denunciado por vingança. O motivo dado foi que Orlailson teria outro relacionamento.

De acordo com a delegada Débora Mafra, titular da DECCM, a vítima revelou nessa quarta-feira que foi coagida a mudar a versão apresentada na terça-feira pelos familiares. “Ela me ligou hoje (ontem) desesperada e dizendo que não aguenta mais, ela só deu a nova versão na terça porque os familiares coagiram ela”, ressaltou.

Ainda segundo a delegada, no dia em que a jovem foi à delegacia, familiares do ex-companheira estavam do lado de fora. “Ela veio falar conosco, foi ouvida, mas só fez isso porque os familiares estavam do lado de fora, então ela foi obrigada. Ela continua alegando que foi realmente estuprada”, explicou. Mafra ressaltou que por conta disso foi aberto um novo processo por Coação na Custa do Processo contra familiares de Orlailson, que segue preso no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

“Não procede a informação de que a vítima denunciou o caso por vingança de que o ex estaria em outro relacionamento. Ela mudou o depoimento após ser coagiada pelos familiares dele, tanto que já abri um novo processo por coação porque isso não pode acontecer. Falar pra ela que se ela não mudar o depoimento vai acontecer algo com ela ou com algum familiar dela não pode, isso é coação”, esclareceu a titular da DECCM.

A delegada informou que a cabeleireira foi levada para um abrigo sigiloso para resguardar a sua integridade.

Publicidade
Publicidade