Publicidade
Manaus Hoje
POLÍCIA

Mulher presa por homicídio 'investigou' se vítima vendia drogas na área do marido

Corpo de jovem de 20 anos foi encontrado decapitado no dia 31 de maio do ano passado em matagal no bairro Flores. Mulher teve o papel de levantar informações sobre rotina da vítima 14/06/2018 às 11:51
Show crime
Foto: Jander Robson/Freelancer
Larissa Golvin Manaus (AM)

Suzany Antunes Barreto, 27, foi presa acusada de participação na morte de Jean de Brito Albano, de 20 anos, conhecido como “Jacaré”. A vítima foi encontrada decapitada na madrugada do dia 31 de maio de 2017 em uma área de mata na rua Rio Branco, bairro Flores, Zona Centro-Sul.

A prisão da mulher ocorreu nessa quarta-feira (13) na casa da mãe dela, na rua Romênia, Parque das Nações. Segundo a Polícia Civil, Jean teria sido morto por vender drogas em uma área comandada pelo marido de Suzany, identificado como Osmando Silva Tela, o “Osga”.

A prisão de Suzany aconteceu após o delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Jeff Mac Donald, iniciar as investigações sobre a morte de Osmando, que ocorreu no dia 3 de junho. Ao levantar informações com a família de Osmando para buscar pistas, a polícia notou que Suzany teria um mandado de prisão em aberto desde o dia 19 de março deste ano, expedido pela 1º Vara do Tribunal do Júri.

Outros suspeitos

Outras duas pessoas são suspeitas do crime: Charles Rodrigo Belo da Silva e Wanderlan Torres da Silva, conhecidos como irmãos “Cachoeira’. A polícia explicou que a participação de Suzany seria levantar informações sobre o cotidiano da vítima e constatar se ele vendia drogas para facção rival. Após confirmar a venda, Suzany teria avisado o marido, que ordenou que “Jacaré” fosse executado.

Charles e Wanderlan continuam foragidos. Em consulta ao Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp), na sede da especializada, a Polícia Civil verificou que a mulher já tinha passagem pela polícia por outro homicídio.

Suzany segue na sede da DEHS até o término dos procedimentos legais e será indiciada por homicídio qualificado.

Publicidade
Publicidade