Publicidade
Manaus Hoje
presidiário morto a tiros

Polícia diz que homicídio no estacionamento do shopping Studio 5 é acerto de contas

Dois dois homens efetuaram pelo menos seis disparos contra a vítima, um presidiário do semiaberto, e fugiram a pé. Testemunhas acreditavam que a vítima tinha tentado assaltar os executores 27/07/2016 às 19:44 - Atualizado em 27/07/2016 às 21:42
Vinicius Leal Manaus (AM)

Um homem foi morto a tiros no início da noite desta quarta-feira (27) no estacionamento do shopping Studio 5, no bairro Distrito Industrial, na Zona Sul de Manaus, por volta das 18h45. Segundo a policia, dois homens efetuaram pelo menos seis disparos contra a vítima e fugiram a pé.

A principal suspeita para o crime é acerto de contas. A vítima, identificada como Heberson Monteiro Lopes, 26, conhecido como "Pesadelo", um presidiário sob regime semiaberto, estava sem documentos e foi alvejada pelo menos seis vezes, sendo três disparos na parte de trás da cabeça e três nas costas.

Conforme testemunhas, a vítima e os assassinos se conheciam. "Disseram que eles estavam próximos ao estacionamento de motos, quando começou uma discussão entre eles", explicou o tenente Moura, da 7ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) da PM. Vários projeteis de pistola 380 foram encontrados ao lado do corpo.

"Quem matou esse cara o conhecia. Fizeram uma espécie de armadilha. Devem ter chamado ele para uma situação e ele combinou aqui no Studio 5, um lugar público e movimentado, na ideia que não teriam coragem de matá-lo", analisou um policial da 7ª Cicom, que não quis se identificar. 

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi ao local e verificou o óbito. Investigadores da Delegacia Especializada em Homicidos e Sequestros (DEHS) e peritos do Instituto de Criminalística foram ao local. Agentes do Instituto Médico Legal (IML) também foram acionados.

Segundo funcionários do shopping, que não quiseram se identificar, após o assassinato os dois infratores saíram em fuga gritando e acusando a vítima de estupro. "Eles saíram falando 'é estuprador, é estuprador'". Entretanto, familiares da vítima negaram a suspeita de estupro.

A irmã da vítima, Adriana Monteiro Lopes, 39, moradora da área do Igarapé do 40, soube da morte do irmão e fez a identificação dele. "Ele estava no semiaberto por homicídio e saiu há um tempo para se cuidar de um problema de saúde", disse.

Mais cedo, testemunhas contaram que o crime teria sido uma tentativa de assalto, o que logo foi descartado. "Por enquanto o que sabemos é que foi uma execução. Não foi um assalto nem acidente. Algo externo que veio terminar aqui", disse o superintendente do shopping, Diógenes Costa. O centro de compras enviará nota sobre o caso.

Passagens

Consulta ao site do Tribunal de Justiça do Amazonas  mostrou que  Heberson Monteiro Lopes respondia uma ação penal por crime de homicídio simples na 2ª Vara do Tribunal do Juri do Fórum Henoch Reis. Também cumpria pena em decorrência de outro processo e no dia 31 de maio deste ano havia saído do regime fechado para o semiaberto.

Publicidade
Publicidade