Domingo, 29 de Novembro de 2020
INVESTIGAÇÃO

Polícia prende envolvidos na morte de militar da Marinha

Assassinato de Sidiney Fonseca de Jesus, 46, aconteceu após um acidente de trânsito, no São Francisco, no início deste mês



121586273_10224284219637670_3915691811572376519_n_44759107-B264-42EC-9456-F1B24E020015.jpg Foto: Divulgação
15/10/2020 às 19:07

Duas pessoas foram presas e duas foram indiciadas na manhã desta quinta-feira (15), por envolvimento no assassinato do subtenente da Marinha do Brasil, Sidiney Fonseca de Jesus, 46. O crime ocorreu na noite de 4 de outubro deste ano, na rua Sucupira, na comunidade São Luís, bairro Colônia Terra Nova, Zona Norte de Manaus.

Dinielson Joaquim Ferreira de Oliveira, 31, e Aldison Pereira Mota, 24, foram presos em cumprimento de mandado de preventiva. Na mesma ação, um homem e uma mulher, todos de 24 anos, foram indiciados pela participação no crime, mas não foram presos por ausência de mandado, de acordo com a polícia.



De acordo com o delegado Charles Araújo, titular da DEHS, o assassinato aconteceu após um acidente de trânsito, localizado na rua Antônio dos Passos Miranda, no bairro São Francisco, na Zona Sul da capital.

Na ocasião, Dinielson dirigia uma veículo Peugeot/307, de cor prata e placa JGI-6101, quando colidiu contra o carro do subtenente, modelo Meriva, de cor bege, com placa JXS-9739.

Após o acidente, Dinielson ameaçou Sidiney, fez gesto de uma arma de fogo com uma das mãos e fugiu do local. Para não ficar com prejuízos, o subtenente que estava acompanhado da esposa, saiu em perseguição e caiu numa emboscada.

"Dinielson ligou para os comparsas que ficaram esperando as vítimas. Ao chegar, Sidiney e a esposa foram atacados e agredidos, em uma parte escura do local. O subtenente foi espancado com pauladas e pedradas até a morte, enquanto a mulher de 44 anos se fingiu de morta. Após o fato, ela pediu socorro de populares", disse o delegado Charles Araújo.

Conforme as investigações, os criminosos tentaram tirasr as vítimas do local e levaram o carro do suboficial para outro bairro vizinho, como forma de dificultar o trabalho investigativo.

Por conta da batida, Dinielson levou o carro para uma oficina no loteamento Rio Piorini, no mesmo bairro onde ocorreu o assassinato, para despistar.

No entanto, as pistas levaram a equipe de investigação ao paradeiro dos envolvidos, em locais distintos na Zona Norte da capital. Ao longo da ação, Aldison foi preso com porções de drogas.

Antecedentes criminais

Em consulta ao sistema de segurança, Dinielson já responde pelo crime de homicídio e é monitorado por tornozeleira eletrônica. O mandado de prisão em nome dele foi expedido no dia 13 de outubro, pela juíza Andréa Jane Silva de Medeiros, da Central de Plantão Criminal.

Participação

Por não terem mandados de prisão expedido junto à Justiça no tempo hábil, um homem e uma mulher foram liberados pela autoridade policial, que atendeu o pedido do advogado .

O delegado Charles Araújo informou que o casal confessou a participação no assassinato e irá representar pela prisão. Outras duas pessoas já foram identificadas e serão indiciadas no inquérito policial.

Procedimentos

Dinielson, Aldison e as outras duas pessoas foram indiciadas pelos crimes de homicídio qualificado e tentativa de homicídio. Aldison também foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Ao término dos procedimentos legais, Dinielson e Aldison serão encaminhados na manhã desta sexta-feira (16) para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde ficarão à disposição da Justiça.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.