Publicidade
Manaus Hoje
HOMICÍDIO

Polícia prende suspeito de matar a facadas PM em sítio em Rio Preto da Eva

Segundo a polícia, a vítima teria tentado tirar a faca e o terçado que estavam em posse dos assassinos e acabou sendo morta. Um deles segue foragido 06/02/2019 às 13:13 - Atualizado em 06/02/2019 às 13:14
Show e4087441 4863 45bb 98d4 56339cdb94bc 419f14e5 8f18 439e a52b 145c03e37f5a
Foto: Jair Araújo
Márcia Monteiro Manaus (AM)

Um dos envolvidos no latrocínio do sargento da Polícia Militar da reserva Francisco Feitosa Gomes, de 55 anos, encontrado morto a facadas dentro de um sítio no município de Rio Preto da Eva, a 57 quilômetros de da capital, foi apresentado na manhã de hoje (6) pela Polícia Civil, em Manaus. É Anderson Antônio Miranda das Chagas, de 28 anos, detento do regime semiaberto.

O corpo da vítima foi encontrado no último domingo (3) dentro do sítio, no ramal Manapólis, em Rio Preto da Eva. Preso, o homem afirmou para a imprensa que resolveu se entregar à polícia por medo de retaliação contra a família e também delatou o comparsa no crime, o cunhado dele, identificado como Jéferson Pires Gurgel, o “Rato”.

De acordo com o diretor do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), delegado Sinval Barroso, a dupla tinha a intenção apenas de furtar o sítio onde estava o policial, mas a vítima teria percebido o crime e tentado reagir.

Segundo o delegado, o policial militar tentou tirar a faca e o terçado que estavam em posse dos assassinos e acabou sendo morto com três facadas. De acordo com Anderson Antônio, os golpes de facada foram desferidos pelo cunhado dele, o “Rato”, que está foragido e sendo procurado pela Polícia Civil. “Quem desferiu a facada ou não é irrelevante, é crime do mesmo jeito”, ressaltou o delegado.

Na delegacia, os policiais descobriram ainda que Anderson Antônio possuía uma condenação por roubo e era detento do regime semiaberto. Ele deveria estar usando tornozeleira eletrônica, mas o mesmo havia rompido o aparelho. Agora, ele foi indiciado por latrocínio e será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

Publicidade
Publicidade