Segunda-feira, 01 de Março de 2021
Crime

Policial suspeito de matar professora Manuella Otto se entrega à polícia

O policial militar Jeremias da Costa Silva, 27, chegou na delegacia acompanhado de advogados. O crime pode ter tido motivação transfóbica, já que Manuella era uma mulher trans



show_2bb2ea58-18e5-4bc9-aab7-893406323814_25553BB5-DA04-4747-A337-9195459DECFA.jpg Foto: Divulgação
18/02/2021 às 19:52

O policial militar Jeremias da Costa Silva, 27, investigado pelo assassinato da professora Manuella Otto, se entregou na tarde desta quinta-feira (18), em cumprimento a mandado de prisão preventiva. Ele chegou acompanhado de dois advogados à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste de Manaus. O crime pode ter tido motivação transfóbica, já que Manuella era uma mulher trans.

A ordem de prisão foi expedida no final da tarde de quarta-feira (17), pelo Plantão Judicial. Jeremias já tinha comparecido à DEHS na noite de domingo (14) com os advogados para prestar esclarecimentos. Nos dois interrogatórios, o policial militar lotado na 12ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), permaneceu em silêncio e declarou falar somente perante ao juiz.



Durante os procedimentos para conclusão do inquérito policial, Jeremias se negou mostrar tatuagens nas costas, uma das provas que colocava ele como autor. No entanto, uma equipe da DEHS conseguiu encontrar as provas necessárias durante o cumprimento de busca e apreensão na casa de Jeremias. Em um HD, os investigadores conseguiram fotos de Jeremias sem camisa durante lazer em uma praia.

Após ser indiciado criminalmente por crime contra a vida, Jeremias deixou o prédio da DEHS pela porta lateral, e entrou rapidamente em um carro conduzido por um dos advogados. Para evitar que fosse fotografado, o policial militar ainda chegou se agachar. Ele foi encaminhado para o Batalhão de Guardas, no bairro Monte das Oliveiras, na Zona Norte da capital, onde ficará à disposição da Justiça.

A Corregedoria-Geral do Sistema de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP-AM) abriu um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra o policial militar. A estrutura organizacional/SSP-AM tem como atribuição apurar infrações administrativas e disciplinares dos servidores do sistema de Segurança Pública.

Entenda o caso

Manuella Otto foi assassinada com dois tiros na madrugada do dia 13 de fevereiro deste ano. O crime aconteceu em um quarto do motel “Minha Pousada”, situada na avenida Samaúma, no bairro Montes das Oliveiras, na Zona Norte de Manaus. A vítima também era atriz e chegou a estudar jornalismo. 

Na madrugada do crime, o carro de Jeremias foi flagrado pelas câmeras de segurança do motel. Por volta de 1h34, o policial militar deixa o quarto e tenta sair, mas o portão é fechado pela funcionária após ouvir disparo de arma de fogo.

Enfurecido, Jeremias faz ameaças ao descer do veículo Prisma, de cor branca e placa PHJ-1418. Logo depois, ele entra no carro, dá uma marcha ré e arromba o portão, fugindo do local. Desde então, ele passou a ser o principal suspeito do assassinato.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.