Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020
FDN

Foragido, primo do traficante Zé Roberto é preso em comunidade no interior do AM

José Arimateia Façanha do Nascimento gerenciava as drogas da facção FDN no interior do Estado. Ari é condenado a 45 anos por latrocínio e era procurado desde o massacre do Compaj



primo.JPG Foto: Divulgação
07/05/2018 às 20:39

Em uma vila ribeirinha no interior do Amazonas, José Arimateia Façanha do Nascimento, o “Ari”, primo do traficante José Roberto Barbosa Fernandes, o “Zé Roberto da Compensa”, foi capturado nesta segunda-feira (7) por policiais militares do Batalhão de Operações Policiais  Especias (BOPE) e agentes da Divisão de Inteligência e Captura (DICAP), de Roraima. Ele gerenciava e distribuía drogas da facção criminosa Família do Norte (FDN) na comunidade. Na Justiça, ele responde a 14 processos criminais.

De acordo com o delegado Guilherme Torres, diretor do Departamento de Repreensão ao Crime Organizado (DRCO), Ari estava escondido em uma casa de madeira, na qual dela ordenava soldados e gerenciava drogas que vinham dos países vizinhos. A Vila Itaquera, onde foi preso, fica na divisa dos estados de Roraima e Amazonas. “Ari” usava apenas um telefone para comandar o tráfico. Dentro da casa onde ele morava não havia drogas nem armas.



Segundo Torres, os entorpecentes passavam por São Gabriel da Cachoeira, pelo Rio Negro, com destino para Airão Velho e Novo Airão e, por fim, eram recebidos em Manacapuru e Manaus. “Ali é um local estratégico. Depois do levantamento de dados e recebimento de informações, tivemos a localização dele. Como iria demorar para ir a comunidade, enviei os mandados para a DICAP, para que fossem cumpridos com a ajuda dele”, explicou Torres.

Ari ainda tentou fugir após perceber a presença dos agentes, mas não teve sucesso. Com dois mandados de prisão em aberto, o primo de “Zé Roberto da Compensa” deve chegar a Manaus na tarde desta terça-feira (8).

De acordo com o delegado, o foragido deve ser ouvido na sede do DRCO. Ari é condenado a 45 anos pelo crime de latrocínio e era procurado desde o dia 1 de janeiro de 2017, quando houve rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) resultando na morte de 56 detentos. Ele também foi um dos líderes naquele dia sangrento.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.