Publicidade
Manaus Hoje
HOMICÍDIOS

Procurado pela polícia por matar homem e grávida, ‘Loirinho’ é preso em Manaus

Ele confessou tudo e ainda disse que estava foragido do sistema prisional do município de Nhamundá, onde cumpria pena por tentativa de homicídio 22/05/2018 às 15:02
Show 3a2e55b6 4c17 44c1 8c82 3d35a369ded3
Foto: Jander Robson
Larissa Golvin Manaus (AM)

Foi preso na última quarta-feira (26), em Manaus, Clilson Silva de Almeida, de 24 anos, conhecido no mundo do crime como “Loirinho”. Ele é suspeito de ter matado em junho do ano passado uma jovem grávida identificada como Leidiane de Souza Ferreira, 19, e em março deste ano um homem de 18 anos, Maycon Bentes Farias.

Segundo a polícia, Clilson foi preso em via pública, na avenida Torquato Tapajós, bairro Flores, Zona Centro-Sul, após a Polícia Militar perceber nele atitudes suspeitas. Clilson foi conduzido ao 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e, em consulta aos sistemas, constataram que ele possuía dois mandados de prisão preventiva pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), que foram expedidos no mês de maio deste ano. O suspeito confessou ainda que estava foragido do sistema prisional do município de Nhamundá, onde cumpria pena por tentativa de homicídio.

Uma das vítimas, a grávida Leidiane, foi morta por Clilson a mando de um traficante identificado como Charles Ferreira Farias, vulgo “Macaco”, por conta de uma disputa de território para a venda de drogas, no Centro. Leidiane foi alvejada com vários tiros, dentro da Santa Casa de Misericórdia, no dia 18 de junho de 2017.

Já em 13 de março deste ano Maycon Bentes Farias foi morto a facadas por “Loirinho” em uma residência no bairro Jorge Teixeira. O motivo do crime seria ciúmes da vítima com a ex-companheira de Clilson. Na ocasião, ele armou uma emboscada para a vítima, que morreu ainda local do crime, com vários golpes de arma branca no tórax.

O suspeito foi indiciado por homicídio qualificado e será conduzido ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde ficará à disposição da Justiça.

Publicidade
Publicidade