Publicidade
Manaus Hoje
CONDENAÇÃO

Réus são condenados pela tentativa de homicídio do ministro Mauro Campbell

De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público, a tentativa de assassinato teria sido praticada às vésperas de uma eleição para composição da lista tríplice da procuradoria-geral do órgão 25/06/2016 às 15:45 - Atualizado em 25/06/2016 às 18:41
Show show caso caamp
(Foto: Luana Carvalho)
Luana Carvalho Manaus (AM)

O julgamento de quatro réus do processo da tentativa de homicídio contra o atual ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Mauro Marques Campbell, em 2006, encerrou por volta das 14h deste sábado (25). Os réus foram condenados.

Mesmo com um discurso de duas horas, o defensor público Antônio Aderval, que fez a tréplica neste sábado, não conseguiu convencer os sete jurados da inocência dos acusados. Osvaldo Silva Bentes, apontado como um dos articuladores, responderá pelo crime em liberdade, durante 12 anos e seis meses.

Jane da Silva Santos, o “Caneco”, apontado como líder da quadrilha, já cumpria pena em regime fechado e foi sentenciado a pagar de  15 anos e seis meses.

Lenilson Braga da Silveira, o “Carioca”, também foi condenado a 15 anos e seis meses e logo após o término do julgamento foi levado para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), por conta de um alvará de prisão que se encontrava em aberto em desfavor dele. Por ser ex-policial militar, ele pagará a pena no Batalhão da Polícia Militar.

Maria José Dantas da Silva foi  julgada a revelia e e foi condenada a 14 anos.

O caso

De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público, a tentativa de assassinato teria sido praticada às vésperas de uma eleição para composição da lista tríplice da procuradoria-geral do órgão. Vicente Cruz era o procurador-geral e concorria à reeleição contra outros quatro candidatos, sendo que um deles era Mauro Campbell. Cruz é acusado de ser o mandante do crime e não foi julgado por ainda estar aguardando análise de um recurso.

Ao todo, o processo tem seis réus. O réu Elson dos Santos Moraes também não foi julgado, pois recorreu da pronúncia.

Publicidade
Publicidade