Publicidade
Manaus Hoje
Arrastão

Assaltantes matam por um celular no bairro Presidente Vargas, na Zona Sul

A dupla de criminosos conseguiu roubar quatro celulares, assassinar um homem e foram presos quando tentavam roubar mais uma pessoa. Já na delegacia, eles confessaram o crime 25/04/2016 às 09:42 - Atualizado em 25/04/2016 às 10:12
Show 20160424125841
Adriano Rodrigues de Oliveira confessou os roubos de celular, mas negou ter matado Kelner (divulgação)
Joana Queiroz Manaus (AM)

O serralheiro Adriano Rodrigues de Oliveira, 21, e um adolescente de 17, saíram de casa por volta das 15h no sábado (23) em uma motocicleta e armados com uma arma de fabricação caseira para fazer arrastão pela cidade roubando celulares porque estavam sem telefone.

Três horas depois eles tinham roubado quatro celulares e assassinado Kelner Brasil Castro, 29, com um tiro na cabeça, por se negar entregar o celular que ainda estava pagando as prestações. O criminoso deu um tiro na cabeça dele e ainda levou o celular. O crime ocorreu por volta das 18h de sábado (23).

Adriano foi preso em flagrante e o adolescente apreendido. Os dois foram levados ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na rua Duque de Caxias, bairro Praça 14, onde Adriano confessou os roubos de três celulares, mas negou o latrocínio (morte seguido de roubo). Já o adolescente confessou tudo e inclusive revelou à polícia passo a passo da empreitada criminosa.

Em depoimento, o adolescente contou que estava em sua casa, no bairro Colônia Terra Nova, quando chegaram Adriano e outro homem, de identidade não revelada, chamando-o para fazer assalto. Estes conseguiram uma arma e uma motocicleta e a dupla saiu para fazer arrastão. O adolescente pilotava a motocicleta e Adriano, na garupa, fazia os assaltos.

A primeira vítima foi Bruna Ketlen de Abreu, 21, abordada em via pública na Colônia Terra Nova, Zona Norte. A moça revelou que fora abordada por dois homens em uma motocicleta e que o que estava na garupa mostrou uma arma para ela dizendo “perdeu, perdeu”. “Eu entreguei o celular para eles que fugiram em alta velocidade”, revelou a mulher.

Nas proximidades da Arena da Amazônia, aconteceu uma segunda abordagem. Desta vez a vítima foi um homem que foi obrigado a entregar o celular para continuar vivo. Por volta das 18h, em um ponto de ônibus da avenida Kako Caminha, no bairro Presidente Vargas, Adriano desceu da motocicleta e foi a pé até a parada onde Kelper e a diarista Ivone Pereira dos Santos esperavam o ônibus passar.

Ivone contou que ela foi a primeira a ser abordada pelo criminoso que exigiu que ela entregasse o celular, esta sem oferecer nenhuma reação fez o que Adriano mandou. O mesmo dirigiu-se para Kelner, que estava mexendo o seu telefone e se recusou a entregá-lo ao assaltante. Kelner teria respondido para o bandido, segundo a testemunha, “Não vou entregar o meu celular porque comprei há pouco tempo e ainda estou pagando”. A reação foi fatal.

Criminosos capturados na Chapada

Irritado, Adriano fez um disparo contra a vítima, pegou o celular, atravessou a avenida correndo, subiu na garupa da motocicleta e fugiu. De acordo com o adolescente, eles fugiram para o bairro Colônia Antonio Aleixo, onde ele deixou a arma na casa de um traficante e depois voltaram para assaltar, mas desta vez sem arma.

Na avenida Djalma Batista nas proximidades da Casa do Campo, a dupla tentou pegar o celular de outra pessoa que, ao notar a aproximação dos criminosos, reagiu dominando Adriano. A dupla foi agarrada por populares que passaram a espancá-los até a chegada da polícia que os levou para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde Adriano foi reconhecido por duas testemunhas como sendo o autor do tiro que matou Kelner.

Publicidade
Publicidade