Publicidade
Manaus Hoje
PM

Sargento morto em Manaus foi à ‘boca de fumo’ pegar objetos empenhados, diz polícia

Hoje, dois presos pelo crime foram apresentados na delegacia. Um terceiro foi morto ontem. A vítima foi assassinada e o corpo jogado em um igarapé 22/01/2019 às 11:19 - Atualizado em 22/01/2019 às 11:26
Show aba81d85 20f3 4ba0 9120 6f7c400c8b70 67759fa5 e6c6 4adc b8bf 2924a7cfe1c0
Foto: Winnetou Almeida
Márcia Monteiro Manaus (AM)

O sargento da Polícia Militar Marco Antônio Benjamin Silva, 38, que foi morto a tiros e teve o corpo jogado em um igarapé do Monte das Oliveiras, no último domingo (20), havia ido até uma “boca de fumo” resgatar uma aliança e um relógio empenhados no local, afirmou hoje o delegado Paulo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

A informação foi repassada durante coletiva de imprensa para apresentar dois homens presos pelo crime, Kelveson Alves Lopes, conhecido como “Bigode”, e Carlos Hillacy Libório da Costa, o “Bin”. Um terceiro envolvido no assassinato, Moisés Pereira dos Santos Braga, que seria o dono do ponto de vendas de droga, foi morto ontem durante abordagem da polícia.

De acordo com o delegado Paulo Martins, o sargento Marco Antônio foi morto por Kelveson e Moisés ao ir à “boca de fumo” resgatar os objetos dele. O delegado não informou as circunstâncias em que o sargento empenhou o relógio e a aliança no ponto de venda de drogas, mas, segundo ele, a família do policial confirmou que o mesmo fazia tratamento contra o vício em entorpecentes.

De acordo com o delegado, Carlos foi o responsável por jogar o corpo do sargento no igarapé, uma área longe da comunidade onde aconteceu o crime, para que, conforme Paulo Martins, a polícia descobrisse a relação do homicídio com o tráfico de drogas.

Durante coletiva de imprensa, Kelveson “Bigode” negou envolvimento no crime e disse que ficou sabendo do assassinato do sargento somente no dia seguinte. Carlos Hillacy “Bin” relatou à reportagem do Portal A Crítica que tinha ido comprar maconha na “boca de fumo” quando foi ordenado a jogar o corpo do sargento em outra área da cidade.

Tanto Kelveson quanto Carlos Hillacy foram indiciados por homicídio qualificado e deverão passar por audiência de custódia no Fórum Ministro Henoch Reis.

Publicidade
Publicidade