Publicidade
Manaus Hoje
Túnel de 11 metros

Seap confirma fuga de 39 detentos do CDPM, sendo sete de alta periculosidade

O grupo conseguiu escapar após cavar durante 4 dias um túnel de 11 metros. O secretário de Administração Penitenciária culpa empresa responsável do serviço pela fuga em massa 02/05/2016 às 09:45 - Atualizado em 05/05/2016 às 19:16
Show 1078284
Trinta e nove detentos, sendo 7 deles considerados de alta periculosidade, conseguiram fugir do Centro de Detenção Provisória Masculino (Divulgação)
Joana Queiroz e Vinicius Leal Manaus

Trinta e nove detentos, sendo 7 deles considerados de alta periculosidade, conseguiram fugir do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), no Km 8 da rodovia BR-174, em Manaus, na manhã desta segunda-feira (2). O grupo conseguiu escapar por um túnel de 11 metros, cavado durante 4 dias, segundo informou a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Veja lista dos presos abaixo.

O titular da pasta, Pedro Florêncio, culpou a empresa responsável do serviço – a Umanizzare Gestão Prisional – pela fuga em massa. Segundo ele, a última revista feita pela empresa na penitenciária ocorreu na quarta-feira (27), há cinco dias, tempo suficiente para o grupo cavar um túnel. Eles usaram pedaços de ferro, uma palheta de ventilador, baldes e outros objetos para cavar o buraco.

A cela onde o túnel foi aberto é a 505, no pavilhão 5. Conforme o secretário Pedro Florêncio, tal cela ficou por muito tempo com uma cortina na frente dela, o que impedia qualquer um de perceber o que acontecia lá dentro. Segundo Florêncio, nesta cela eram mantidos 17 presos, mas os 39 fugitivos passaram a última noite lá e a contagem do número de detentos poderia ter identificado a mobilidade dos internos e evitado a fuga.

O túnel de 11 metros usado pelos fugitivos ligava a cela 505 à parte externa do presídio, que dá direto a uma área de mata fechada. O secretário Pedro Florêncio também criticou a falta de iluminação neste local, o que atrapalha a visualização de pessoas e facilita fugas.

“Acreditamos que a estrutura tenha sido feita recentemente, pois o barro retirado ainda estava molhado”, disse Florêncio. A Seap informou que será aberto um processo administrativo para apurar se houve facilitação dos agentes penitenciários.

Segundo Florêncio, o Governo do Amazonas paga à empresa Umanizzare cerca de R$ 4 mil por cada preso no CDPM. Em nota de esclarecimento, a Umanizzare Gestão Prisional informou que “está apurando o caso juntamente com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) para averiguar os fatos ocorridos”.

Alta periculosidade

Entre os foragidos, o Florêncio destacou como de maior periculosidade os presos Afonso Celso Caldas Júnior, Antônio Silva de Oliveira (vulgo “Pitbull), Bruno Lima de Oliveira, Francisco Rodrigues dos Santos (preso da Polícia Federal), Josimar Leite da Conceição, Magaile Ferreira Pereira, Nelson Gaviria Florez (vulgo “El Diablo”) e Patrick Pina Teixeira (vulgo “Pivete”).

Poucos agentes

Conforme o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seccional Amazonas, Epitácio Almeida, apenas 15 agentes penitenciários trabalhavam no CDPM durante a fuga, para cuidar dos aproximadamente 1500 detentos residentes no local.

Sexto túnel em 2016

O secretário Pedro Florêncio ressaltou que esse é o sexto túnel encontrado em unidades prisionais do Amazonas neste ano, sendo os cinco primeiros descobertos antes de serem utilizados para fuga. No CDPM este é o primeiro túnel registrado. “Vale ressaltar que trabalhamos e conseguimos evitar outras fugas anteriormente. Já estamos repassando as informações de todos os fugitivos para o Sistema de Segurança Pública”.

Umanizzare se manifesta

Em nota, a Umanizzare Gestão Prisional informou está apurando o caso juntamente com a Secretaria de Administração Penitenciária para averiguar os fatos ocorridos.

Publicidade
Publicidade