Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
SALDO

Seis traficantes morrem por semana em ataques de piratas na região de Coari

A maioria dos suspeitos que transportam drogas para o Amazonas é de nacionalidade colombiana, segundo o delegado do município, José Barradas Júnior



WhatsApp_Image_2019-02-12_at_15.43.29_3A697474-1821-454F-8159-3314D86CADD4.jpeg Foto: Jander Robson
12/02/2019 às 20:28

Cerca de seis traficantes são mortos por piratas de rios a cada sete dias, no interior do Amazonas. A maioria dos suspeitos que transportam drogas para o Amazonas é de nacionalidade colombiana e quando são atacados por piratas, são mortos, têm a carga roubada e em seguida são desovados nos rios. A informação é do delegado titular de Coari, José Barradas Júnior.

O delegado informou que os colombianos costumam vir em três, um tripulante e dois que fazem a segurança das drogas com armas de guerra, principalmente fuzis. “Eles costumam atacar cerca de duas lanchas por semana. Às vezes é uma, mas eles atacam, roubam e depois matam, com certeza”, explicou o titular de Coari, que investiga a ação dos piratas dos rios que atuam na região.



Baseado nesses números e também pelo fato dos piratas atacarem cerca de duas lanchas por semana é possível que no trajeto entre Tefé e Coari – áreas dos ataques – aproximadamente seis traficantes são mortos a cada sete dias. O delegado informou que o grupo de piratas de Coari é comandado por Sidnei Rodrigues Moriz, o “Sid”, 38, considerado o principal neste tipo de crime no município.

Segundo Barradas Júnior, o grupo de “Sid” é bastante violento e “organizado”. “Eles são muito violentos. O número dessas ocorrências de homicídios não chega para a gente (de Coari) porque os traficantes vão para essa missão como forma de Kamikase, ou é tudo ou nada, sabem que podem morrer. Então os piratas matam e depois jogam os corpos no rio, pegam as armas e drogas deles”, explicou Junior.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.