Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
POLÍCIA

'Sempre tem um besta na porta do banco', diz mulher presa por estelionato

Késia Macedo foi presa nesta quarta-feira (2) e aplicava golpes do "envelope vazio" atraindo vítimas em filas de agências. Acusada era procurada em Manaus e Rondônia



02/01/2019 às 12:54

“Sempre tem um besta na porta do banco”. Essas são as palavras de Késia Macedo da Silva, de 32 anos, procurada em Manaus e também em Rondônia por aplicar centenas de golpes do “envelope vazio”. Ela foi presa na manhã desta quarta-feira (2), por volta das 6h, na rua Jacob, bairro Coroado, na Zona Leste da capital amazonense. A mulher confessou todos os crimes, zombou das vítimas e também pediu perdão em um vídeo gravado por policiais civis.

Kézia foi localizada em uma casa por policiais do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Na delegacia, ela gravou um vídeo dando detalhes de como procurava suas vítimas e também como aplicava os golpes. De acordo com o vídeo disponibilizado pela Polícia Civil, a suspeita revela que usa diversos nomes falsos e procura suas vítimas em sites de compra e venda e também em filas de banco e em caixas eletrônicos.

Segundo os policiais do 12º DIP, Kézia faturou em média cerca de R$ 500 mil com alguns golpes praticados por ela. Em 2013, em um único golpe, ela simulou a venda de uma mesma casa para 30 pessoas ao mesmo tempo. Conforme o depoimento dela, após se passar por compradora, ela negocia objetos de seu interesse, faz um falso depósito e some com os objetos das vítimas.

“Têm várias formas de golpe, uma delas é atraindo através de sites de compra e venda, uso vários nomes, o principal Adriana. Vou lá (com vítimas), negocio (o objeto),  (faz) ‘esquema’(depósito falso) no banco, pego a mercadoria, nunca roubei ninguém, as pessoas entregam a mercadoria na minha mão. Às vezes vou lá e tem sempre um besta na porta do banco, fazendo saque, depósito, converso com a pessoa e engano”, disse ela no vídeo.

Golpe

Segundo as investigações da Polícia Civil, Kézia fazia uma simulação de depósito, colocava o envelope com os dados da conta da vítima no caixa eletrônico e o valor aparecia na conta da vítima, porém dias depois o valor desaparecia porque o banco analisava e verificava que não havia dinheiro no envelope. “Faço uma simulação, coloco o envelope e aparece na conta da pessoa que o dinheiro caiu, três dias o valor some e eu pego o bem e vendo”, explicou.

Além dos diversos boletins de ocorrência registrados em delegacias da cidade e também em outras da região norte, Kézia responde a 30 processos judiciais por estelionato no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e outros em Rondônia.

No vídeo gravado pela Polícia Civil, Kézia alegou que tem aplicado menos golpes do que antes e pediu perdão às vítimas. “Peço perdão ‘né’? Pelo momento de fraqueza que tive, não tenho um centavo pra devolver”, disse ela.

Por conta do mandado de prisão preventiva contra ela expedido pela 4ª Vara Criminal, Kézia deve ser encaminhada para o Centro de Detenção Provisória Feminino, onde deve ficar a disposição da Justiça. Na delegacia, ela alegou que tem tentado não aplicar mais os golpes. “Estou me tratando (de ser estelionatária), parei mais, já não faço com tanta frequência quanto fazia antes”, finalizou ela.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.