Publicidade
Manaus Hoje
PRESO

Preso, suspeito de ser o mandante da morte do cantor Melvino Jr. se diz arrependido

Evenilson Ferreira, o “Mistério”, pediu desculpas à família e reafirmou que o alvo do crime era “Vitão”. Três ainda estão sendo procurados 15/06/2017 às 11:40 - Atualizado em 15/06/2017 às 12:01
Show e13916ce 5da1 4a6d aed0 577d42e3aced
Foto: Jander Robson
Amanda Guimarães Manaus (AM)

A Polícia Civil do Amazonas apresentou na manhã desta quinta-feira (15), em Manaus, mais um suspeito de participação na morte do cantor Melvino Jesus Júnior, morto a tiros no dia 29 de abril deste ano no município de Codajás, a 240 quilômetros da capital. Desta vez o preso é Evenilson de Oliveira Ferreira, o “Mistério”, apontado como o mandante do crime. Três pessoas estão sendo procuradas.

Preso pela polícia ontem, Evenilson pediu desculpas à família e reafirmou que o vocalista do grupo musical Jr. e Banda morreu por engano, que o alvo do crime era “Vitão”, um traficante da região. “Ontem prendemos o ‘Mistério’, suspeito de ser o mandante da morte do cantor Melvino. Durante depoimento ele disse que o artista morreu por engano e pediu desculpa”, disse o delegado Juan Valério, titular da Delegacia de Homicídios (DEHS).

Apresentado à imprensa na sede da DEHS, Evenilson pediu desculpas à família do cantor morto, que esteve no local. Ele reafirmou que Melvino foi morto por engano, que o alvo era “Vitão” e que o motivo foi uma rixa, porque ele havia sido ameaçado de morte por “Vitão”. “Quero pedir desculpas, mas não foi pelo tráfico de drogas não. Foi só por conta da banca de Coari, pois tinham mandado me matar. Não foi pelo tráfico”, disse.

Evenilson disse ainda que quando percebeu que o cantor Melvino Jr. havia morrido no lugar de “Vitão” se arrependeu do que tinha feito. “A intenção era matar o ‘Vitao’, não o cantor. Quero pedir perdão a Deus e desculpa para a família e amigos. Quando eu vi que eles tinham matado a pessoa errada, fiquei arrependido”, completou. “Mistério” foi indiciado por homicídio qualificado.

Três procurados

Segundo o delegado Juan Valério, três pessoas ainda estão sendo procuradas por participação no assassinato de Melvino Jr. São eles: Fábio Barbosa de Souza, o “Índio”; Marcos Ribeiro Ramos, o “Marquinho”; e Josiel Oliveira Lavareda, o “Dentinho”. Outras pessoas já haviam sido presas pelo crime. Entre os já presos e os procurados também há suspeitos de participar de outro assassinato no Estado, a morte do policial militar Sérgio Portilho.

Entretanto, o delegado Juan Valério acrescentou os principais envolvidos na morte do cantor já estão presos. “O cantor morreu por engano como já falamos. O ‘Mistério’ estava escondido em Manaus, pois quando o ‘Vitão’ soube que ele solicitou a morte dele realmente não gostou”, afirmou o delegado. Segundo ele, a Polícia Civil continuará trabalhando para encontrar os foragidos. “Vamos continuar as nossas investigações. Não vamos parar até que todos sejam presos”.

Outros presos

Há dois dias, na terça-feira (13), a Polícia Civil apresentou outras três pessoas também presas por participação na morte do cantor Melvino Jr. São eles: Kaison Rodrigo Pena da Silva, 23, Ozivan dos Santos Oliveira, 31, e Henrique Silva da Silva, 22, o “Kinho”. Segundo o delegado Juan Valério, Kaison e Ozivan teriam contratado “Kinho” para matarem “Vitão”, que queria aumentar as atividades de tráfico em Codajás. O dia marcado para o crime foi a Festa do Açaí, em Codajás.

Segundo Juan Valério, no dia do crime Kaison e Ozivan colocaram uma adolescente na entrada de um hotel para informar sobre os passos de “Vitão”. Quando o cantor desceu, segundo o delegado, a adolescente ligou para “Kinho” e passou as características de Melvino Jr. Logo depois, o homem apareceu no local e realizou os disparos por engano em direção ao artista.

Facção criminosa

Kaison, Ozivan e “Kinho” foram indiciados por homicídio qualificado. A Polícia Civil ainda investiga se tais envolvidos no assassinato fazem parte de organizações criminosas. Após os trâmites legais, todos os infratores serão encaminhados para o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), em Manaus.

Publicidade
Publicidade