Publicidade
Manaus Hoje
conjunto xingu

Tiroteio entre PMs e bandidos tira a vida de uma jovem batalhadora

A assistente social Thammyrys Alexandre se preparava para ir à formatura da irmã, que foi paga graças ao trabalho das duas com venda de bolos de pote em semáforos da cidade 20/07/2016 às 19:35 - Atualizado em 20/07/2016 às 21:18
Show dsfdfsf
Foto: Nilton Ricardo/Freelancer
Kamyla Gomes Manaus (AM)

Um tiroteio entre policiais e bandidos interrompeu os sonhos da jovem assistente social Thammyrys Alexandre, 26, que foi morta com um tiro na barriga. A troca de tiros ocorreu no fim da tarde de hoje (20), na rua Corina Dantas, conjunto Rio Xingu, bairro Compensa, na Zona Oeste de Manaus.

De acordo com familiares, a vítima estava indo para o salão de beleza se arrumar para a colação de grau em Direito da irmã, Thais Alexandre.

Conforme informações da PM, os assaltantes estava cometendo arrastões em paradas de ônibus na avenida Brasil e, na fuga, entraram no conjunto.

"Eles a abordaram provavelmente para tomar seu veículo para ajudar na fuga. Tudo indica que ela teria levado um susto com a ação e tentou fugir [quando foi atingida]", disse o soldado Fragoso, que esteve no local. Nesse momento, houve uma intensa troca de tiros entre os PMs e os bandidos. Moradores do conjunto disseram que ouviram mais de 10 disparos. Após ser atingidam Thammyrys perdeu o controle do veículo e avançou com o carro para dentro de um barranco de um terreno.

Um dos assaltantes foi preso com uma arma de fogo, mas nome dele não foi divulgado. O outro conseguiu fugir. Em nota distribuída à imprensa, a PM afirmou que "um dos infratores tentou pegar de assalto um carro onde estava Thaís, a qual foi atingida por um disparo de arma de fogo, vindo a falecer, possivelmente a vítima tentou reagir a tentativa de roubo e os acusados atiraram".

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas a jovem morreu ainda no local.

Perícia irá apontar origem do disparo, diz delegado

Policiais do 8º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) estiveram no local. De acordo com o delegado Gerson Aguiar, titular do 8º DIP, apenas uma perícia poderá comprovar se o tiro que matou Thammyrys Alexandre partiu da arma dos bandidos ou dos policiais.

Pouco antes de morrer, Thammyrys publicou uma declaração de amor para o seu companheiro, Everton Nascimento, no Facebook. Confira:

Trabalhadora

Thammyrys Alexandre era uma batalhadora. Ela e a irmã vendiam bolos de pote em semáforos da cidade para pagar a pós-graduação de Thammyrys e a formatura de hoje de Thais. A história foi tema de reportagem do Manaus Hoje em 21 de janeiro deste ano.

Confira a matéria publicada na ocasião, assinada pela jornalista Vanessa Marques:

Desempregadas, precisando pagar a pós-graduação, a formatura e ainda manter as despesas da casa. Foi assim que as irmãs Thammyrys Alexandre e Thaís Alexandre tiveram a ideia de fazer bolos de pote e vender nos semáforos. Isso mesmo: nos semáforos. Thammyrys é assistente social e está fazendo pós-graduação, já Thaís é recém formada em direito e está estudando para as provas da OAB.

O trabalho começou em outubro de 2015 e no início era apenas as duas irmãs. Mas, com o aumento da produção, o marido de Thaís também começou a ajudar e trouxe também outras pessoas da família para trabalhar com elas. Os bolos são produzidos e vendidos em conjunto, mas Thammyrys e Thaís têm suas rendas e despesas separadas.

“No início fizemos apenas 20 bolos e vendemos no sinal, depois vimos que daria certo, então resolvemos separar as despesas e rendas, mas sem deixar de trabalhar junto”, contou Tammyrys, que fica responsável pela produção dos bolos.

Ao todo seis pessoas se revezam nas vendas dos bolos de pote, que custam R$ 5. Eles se concentram no cruzamento da avenida São Jorge com a avenida Ipase, na Compensa, Zona Oeste. “O local foi escolhido por ser de grande fluxo de veículos, principalmente no final da tarde, quando um maior número de carros seguem em direção à Ponta Negra”, explica Thaís, que já chegou a vender em um cruzamento no Campos Elíseos e também no início da avenida Coronel Cyrillo (rua que dá acesso a Ponte Rio Negro), mas hoje todas as vendas ficam em um só lugar.

Agora elas produzem 300 bolos por dia, que são todos vendidos, entre 16h e 22h, no semáforo. Durante os dias que antecederam o Natal, elas venderam um quantidade maior do que produzem diariamente. “Cada um fez sua própria produção e conseguia vender todas as unidades dos bolos. A Thammyrys vendia até 150 bolos sozinha, eu vendia 100, meu marido mais 100 e todos conseguiram alcançar suas metas”, comemorou Thais.

No total, são dez opções de sabores, entre eles: cupuaçu com chocolate, prestígio, morango com chocolate, abacaxi, brigadeiro, doce de leite, banana com chocolate. Elas conseguem oferecer para os clientes variedades e qualidade. Por isso, muitos motoristas já conhecem os bolos e são clientes fixos.

Publicidade
Publicidade