Publicidade
Manaus Hoje
OSSADA

Trio confessa ter sequestrado e matado jovem de 17 anos suspeito de roubo

A ossada da vítima foi encontrada ontem no ramal da Praia Dourada. Segundo eles, o adolescente teria roubado a motocicleta de um professor de MMA. Um suspeito continua foragido 24/08/2018 às 15:38 - Atualizado em 24/08/2018 às 15:39
Show 55f8e0fa 33fa 4905 9c44 65662a772c4e 255d3ac5 6b0b 4094 aed4 71c8a552a605
Foto: Jander Robson
Larissa Golvin Manaus (AM)

Três pessoas foram presas por sequestrarem e matarem o adolescente Cristóvão Vasconcelos dos Santos, de 17 anos, que desapareceu no último dia 6 de abril deste ano, na rua Ovídio Gomes Monteiro, terceira etapa do bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste. A ossada da vítima foi encontrada ontem (23) em uma área de mata no ramal da Praia Dourada, no bairro Tarumã, Zona Oeste.

Os suspeitos são Carlos Freire de Mendonça, 31 anos, o lutador de MMA Deigrison Batalha Frazão, 28 anos, e Marcelo Tavares de Souza, 29. Todos prestaram depoimento e confessaram o crime, mas uma pessoa, identificada como Levi da Silva Machado, ainda está foragida.

De acordo com a Polícia Civil, o grupo sequestrou o adolescente em frente à casa dele, imobilizando-o com um golpe de gravata nele e depois levando-o num veículo de cor preta. Segundo a Polícia Civil, a motivação do crime seria, a princíoio, uma briga entre membros do crime organizado. Entretanto, no decorrer das investigações, a polícia descobriu que o real motivo foi o roubo de uma motocicleta do professor do lutador de MMA Deigrison.

O adolescente teria roubado a motocicleta do professor do suspeito e, a partir disso, o grupo, junto com o foragido Levi da Silva Machado, decidiram assustar a vítima. Eles disseram em depoimento que não tinham a intenção de matar, porém, em um dos golpes que o adolescente recebeu, ele não acordou mais. Os suspeitos enterraram o corpo de Cristóvão no ramal da Praia Dourada.

Segundo a Polícia Civil, o Carlos Freire já tinha passagem por tráfico de drogas e, a partir da prisão dele, foi possível identificar os outros suspeitos e descobrir onde a ossada da vítima estava enterrada. Carlos já está no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) à disposição da Justiça desde que passou por Audiência de Custódia, quando foi pego em flagrante portanto entorpecentes.

Eles foram indiciadas por homicídio qualificado e associação criminosa. O delegado disse que solicitará a conversão do mandado para prisão preventiva. Levi da Silva Machado continua sendo procurado.

Publicidade
Publicidade