Sábado, 11 de Julho de 2020
balanço

20 membros da facção Família do Norte são presos durante operação Guará

Entre os presos estão irmãos e cunhado de ‘Zé Roberto da Compensa’, um dos fundadores da facção. Prisões ocorreram nos estados do Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Santa Catarina



irm__C2AE6A9A-7AA0-433F-90B5-E5FE244521E1.JPG Maria Cléia Fernandes Barbosa é irmã de Zé Roberto. Foto: Jair Araújo
01/08/2019 às 13:27

A Polícia Civil do Amazonas divulgou, durante coletiva de imprensa, na manhã desta quinta-feira (1°), o balanço da operação "Guará", que resultou na prisão de vinte pessoas ligadas à Facção Criminosa Família do Norte (FDN). A operação foi deflagrada no último dia 27, nos Estados do Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte e Santa Catarina. Eles são suspeitos de estarem envolvidos nas mortes dos 55 detentos, ocorridos em quatro presídios de Manaus, no fim de maio deste ano.

De acordo com a polícia, foram presos os irmãos do narcotraficante José Roberto Fernandes Barbosa, o  "Zé Roberto da Compensa", identificados como Maria Cléia Fernandes Barbosa e Charles dos Santos Rodrigues, de 29 anos, o "Charles BB". Além deles dois, foi preso o esposo da Maria Cléia, o Marcelo Frederico Laborda Júnior, de 29 anos, conhecido como "Marcelinho". Todos os três foram presos na cidade de Florianópolis, em Santa Catarina. Eles permanecerão no Estado sobre custódia da Polícia Federal.



Além deles foram presos Andreza Rodrigues Lobo, 34, Leandro dos Santos Chaves, de 25 anos, Rômulo Raphael dos Santos Morais, 27, Daniel Fernandes Benvindo de Sousa, 21, Franco Jorge  Conceição, 31, Ivone de Araújo Mutimo, 38, Marcilena Sanches Pereira, 44, Rachel Barbosa de Oliveira, 37, Romário Ramalho Pinto, 25, e Sinélia Silva Prata, 48, e foram cumpridos mandados de prisão preventiva em nome de José Lobo Rodrigues, 36, e Marlison Prata Mutimo Silva, 22.

De acordo com o diretor e coordenador da operação, delegado Sinval Barroso, do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), durante a operação foram apreendidos R$ 40 mil, armas de grosso calibre (metralhadoras, pistolas e revólveres), 2 carros, 1 moto, 1 notebook, 9 celulares e 10 quilos de drogas.

Conforme o adjunto do DRCO, Mário Júnior, as diligências em torno da operação tiveram início após a morte de Magdiel Barreto Valente, o "Magnata", integrante da FDN e soldado do narcotraficante João Branco. Ele teria ido ao estado do Maranhão e sido sequestrado por 'soldados' de 'Zé Roberto'.  Ele foi encontrado morto no dia 24 de maio.

"Há uma briga pelo poder da facção. O Magdiel foi usado apenas como exemplo para que os demais integrantes e soldados do João Branco passassem a obedecer apenas a liderança de 'Zé Roberto. Isso foi a motivação para que houvesse o massacre', disse.

A Polícia Civil ressaltou que outras fases devem continuar para identificar outros suspeitos que estiveram envolvidos nas mortes nos presídios.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.