Publicidade
Interior
PARINTINS

Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia comemora 10 anos

Mesa redonda traçou um panorama histórico da trajetória da universidade em Parintins com presença de ex-alunos 29/09/2017 às 10:17 - Atualizado em 18/10/2017 às 16:46
Show foto
(Foto: Glenda Dineli/Divugação)
acritica.com Parintins (AM)

A Universidade Federal do Amazonas (Ufam) é presente em Parintins desde o ano de 1989, com cursos modulados, mas se efetivou em 24 de setembro de 2007, com a implantação definitiva do Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (Icsez). Os 10 anos de história do Campus de Parintins entrosaram professores dos sete cursos de graduação: Administração, Artes Visuais, Comunicação Social – Jornalismo, Educação Física, Serviço Social, Pedagogia e Zootecnia, em coletiva de imprensa, na sala de reuniões do Icsez, nesta quinta-feira (28).

A mesa redonda traçou um panorama histórico da trajetória da universidade em Parintins, com a participação de técnicos do Icsez, além de ex-alunos representantes das primeiras turmas dos cursos de pedagogia e jornalismo. “Nesses 10 anos, o Icsez tem prestado relevante serviço para a comunidade do Baixo e Médio Amazonas, em especial Parintins”, afirmou o diretor do Instituto, professor Dr. José Luiz Pereira, ao mencionar o nome do ex-reitor, Himdenberg Frota, que estabeleceu a Ufam em Parintins, no ano de 2007.

O professor aposentado Felicissímo Barbosa recordou que ano de 1989 a Ufam chegou a Parintins, com cursos modulados, com o chamado Campus Avançado. “Oficialmente, a Universidade Federal do Amazonas começa em Parintins em 1989, com seis cursos e com a área de saúde. Naquela época, a universidade já oferecia também cursos de especialização como tecnologia educacional, desenvolvimento sustentável. Foi um início um pouco duro, porque a universidade participava do projeto Norte de Interiorização e teria que sair da capital. Esse processo de interiorização inicia em 1989 com atividades de ensino, pesquisa e extensão”, recordou.

O técnico de laboratório e membro do primeiro Conselho Diretor, Walcemir Costa, elencou os desafios enfrentados para a implantação do Icsez como a mobilização da comunidade com mais de 100 mil assinaturas, pois o processo de interiorização da Ufam contemplava somente Coari, Benjamin Constant e Humaitá. “Essa luta foi feita através de muitas pessoas que passaram por aqui, entre técnicos, alunos e professores. Cada um tem um tijolo nessa construção e se dedicaram de forma particular. No prédio da Ufam, no centro, foi onde tudo começou. Ali é uma parte histórica que não devemos esquecer”, citou.

O professor do curso de administração, Alberto Ferreira, disse que com a efetivação do Campus da Ufam em Parintins o Baixo Amazonas vive mudanças, com o desenvolvimento econômico da região. “A universidade reescreve a história desse Amazonas. Estamos em fase de consolidação e ampliação. O modelo econômico desenvolvido aqui no Amazonas está baseado no Polo Industrial de Manaus e por questões de globalização ele não apresenta sustentabilidade. Então, nós temos um interior do Amazonas que não foi desenvolvido nem socialmente nem economicamente” avaliou.

O radialista Aderaldo Reis sonhava em ter curso de graduação e passou em 6º lugar para pedagogia, no qual teve a oportunidade de integrar a primeira turma. “Nós começamos a construir essa história. Conseguimos trazer a universidade a Parintins, com um grupo de estudantes, acadêmicos e a comunidade parintinenses. A universidade transformou nossa cidade. Na ocasião da inauguração do porto em 2006, um grupo chegou a mim para que intermediasse uma conversa com o então governador e um ministro para a entrega um abaixo assinado. Pedi que me acompanhassem no momento da entrevista e foi assim. Dois meses depois, tivemos a notícia de que o presidente da República tinha aprovado a implantação do Campus da Ufam em Parintins. Tudo é fruto de luta e reivindicação”, lembrou.

*Com informações da assessoria de comunicação.

Publicidade
Publicidade