Publicidade
Manaus
LADRÕES NAS RUAS

A cada 7 minutos uma pessoa é furtada ou assaltada em Manaus, aponta SSP-AM

Por dia 200 casos são registrados, o que totalizou, até o mês de setembro, 54,4 mil casos neste ano 30/10/2017 às 08:36
Show cidade am
Equipe de A CRÍTICA flagrou, em março deste ano, o exato momento em que uma dupla em motocicleta assaltou um estudante no bairro Dom Pedro, na Zona Oeste, levando o celular dele. O flagrante ajudou a identificar e prender os criminosos. Foto: Jander Robson/freelancer - 08/março/2017
Joana Queiroz Manaus (AM)

A cada sete minutos, uma pessoa é assaltada  ou furtada em Manaus. De acordo com  dados da Secretaria de  Segurança Pública  (SSP-AM), de janeiro a setembro deste ano,  54.424 pessoas foram vítimas de ladrões. Uma  média de mais de 200 roubos por dia. 

Os assaltos e furtos acontecem de dia, de noite e em todos os lugares: nas ruas e avenidas, nas casas e em estabelecimento comercial.  O bairro Cidade Nova, na Zona  Norte, é o campeão de ocorrências de assaltos, que é quando o criminosos utilizam  violência para subtrair  o bem do outro. Lá, foram registrados 2.655 casos. Em segundo lugar, aparece o Centro,  com 2.373 registros, seguido da Cidade de Deus, com 1.789, e Jorge Teixeira, com 1.779  assaltos.

Nos casos de furtos, quando criminoso não usa da violência, o Centro dispara com o maior número de casos registrados: 2.697, seguido pela Cidade Nova,  com  1.776, e Jorge Teixeira, com  1.015.

Convivendo com o medo

Osvaldo Oliveira, 24, morador da Cidade Nova, contou que estava voltando da escola, por volta das 13h, quando foi abordado por dois rapazes na rua onde mora. Um estava armado com uma faca enferrujada.

Ele foi obrigado a entregar o celular. “Na hora o sentimento foi de fracasso, mas depois veio a revolta e o medo. Medo de no dia seguinte voltar para casa pela mesma rua”, contou.

Insegurança no centro

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL), Ralph Assayag, o número de furtos e assaltos no Centro pode ser bem maior, uma vez que a maioria dos comerciantes que sofreram algum desses crimes preferem não ir a uma delegacia registrar  boletim de ocorrência  (B.O).

Segundo ele, o número de  arrombamentos de lojas nos últimos meses praticamente dobrou. “Antes aconteciam quatro arrombamentos de lojas, atualmente a média é nove. Os lojistas decidiram não mais fazer o B.O porque é perda de tempo e nunca tem retorno”, disse. Ralph Assayag ressaltou que, além das lojas, paradas de ônibus,  funcionários e clientes são vítimas constante dos criminosos.

Para os lojistas, o comandante da PM  prometeu reforçar a segurança na área colocando policiamento de bicicleta, motocicleta e aumentar o policiamento a pé, pelas duplas Cosme e Damião.

Policiais que trabalham na região afirmam que nos casos de furtos as vítimas são principalmente aquelas pessoas que andam desatentas pelas ruas, muitas vezes falando ao celular, e mulheres com bolsas para trás.

Zona Norte no topo

Conforme os dados da SSP-AM, no cômputo geral, a Zona Norte concentra o maior número de ocorrências de assaltos e furtos. Foram contabilizados 16.134 casos, sendo 5.657 furtos e 10.477 roubos. A Cidade Nova, o maior bairro da capital, é onde há mais registros, sendo 2.655 assaltos e 1.776 roubos registrados.

Blog: Alan Badeira, empresário

“Revolta, muita revolta: é isso que eu sinto quando chego pra trabalhar e encontro a minha loja arrombada, destruída. A maioria dos lojistas já teve os seus estabelecimentos violados, por bandidos e não estamos mais prestando queixa. Os recursos de segurança não adiantam, porque eles arrombam telhados, lages, grades, cercas elétricas e tudo que encontram pela frente.  As lojas passaram a fechar uma hora mais cedo e a gente trabalha sob o medo de ser assaltado. A minha revolta é porque nada é feito. Nós somos trabalhadores honestos, pagamos os nossos impostos e não temos segurança. Em minha opinião, devemos ter  tolerância zero para bandidos. Agora, a polícia prende o criminoso hoje e amanhã ele já está nas ruas”.

Na luz do dia, lojas arrombadas

No dia 17 setembro, um domingo, câmeras de segurança de um estabelecimento comercial no Vieiralves, na Zona Centro-Sul, registraram a ação de um criminoso que, em plena luz do dia,  às 15h,  usando um pequeno instrumento, arromba a parta de vidro da loja e rouba uma bicicleta. Ele sai do local tranquilamente levando a “bike”.  “A gente sente uma sensação ruim que não dá para explicar, é uma sensação de impotência e depois muita raiva”, disse a proprietária, Renata Caranha.

Por volta do meio dia, também no  mesmo domingo, no bairro Cachoeirinha, Zona Sul, na avenida Tefé, imagens de câmeras de segurança de uma loja de mangueiras mostraram o momento exato que um ladrão pula o muro e, usando uma chave de fenda e uma serra, consegue abrir a porta da loja. O criminoso entrou, ficou durante duas horas dentro da loja, tirou o que queria a maioria ferramentas e saiu andando. O arrombamento e o furto deixaram os donos revoltados. “Tive muita raiva, e não sei o que faria se eu chegasse naquele momento”, desabafou um dos empresários, que preferiu não revelar o nome.

Publicidade
Publicidade