Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
MEDIDA

‘A greve é pelo ensino público gratuito e universal para todos’, diz José Ricardo

Sobre a reforma da Previdência, o deputado petista acredita que ela penaliza o trabalhador que está próximo de se aposentar exigindo mais tempo de contribuição



z__ricardo_D2BE54B5-1589-4343-82D2-495AF9490337.JPG Deputado José Ricardo durante ato em frente à Ufam. Foto: Euzivaldo Queiroz
14/06/2019 às 10:16

Para o deputado federal José Ricardo (PT), as mobilizações nacionais da greve geral desta sexta-feira (14) também são em protesto ao direito à educação e ao acesso de todos ao ensino público superior.

“O ministro da economia, Paulo Guedes, não esconde o olhar privatista. A esposa dele é ligada a instituições de ensino privado. Quanto mais sucateado o ensino público de educação, as pessoas tendem a buscar outras alternativas. É uma forma de favorecer a privatização do ensino superior. O ministro anterior da educação dizia que a universidade pública seria só para a elite. A greve é pelo ensino público gratuito e universal para todos”, declarou o parlamentar.

A diretora da Associação dos Docentes da Ufam (Adua) e professora do Instituto de Ciências Biológicas, Ana Lucia Gomes, criticou a retirada de investimentos no ensino público e a destinação para o ensino privado com o financiamento de programas, por exemplo, como o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Na avaliação do parlamentar, a reforma da previdência penaliza o trabalhador que está próximo de se aposentar exigindo mais tempo de contribuição, e o cumprimento de regras de transição e pedágio, e as novas gerações que irão ingressar no mercado de trabalho com um horizonte maior para se aposentar. “A reação tem que ser essa, de questionar”, disse.

De acordo com o deputado federal e ex-professor universitário de economia, os cortes não se restringem à educação. Áreas como habitação, saneamento e a construção civil também tiveram recursos bloqueados pelo governo federal.

Ele citou entre outras ameaças a exploração desenfreada das riquezas naturais e a privatização de empresas públicas como a Infraero, Correios, Bancos Públicos (Basa, Banco do Brasil e Caixa Econômica), refinarias de petróleo e concessionárias de energia, ameaçando programas como o Luz para Todos.  “A greve também é contra medidas que atentam contra a soberania nacional. Vender patrimônio público e entregar para os estrangeiros é um atentado à soberania do País”, disse.

O parlamentar anunciou que irá participar do grande ato da greve geral programado para as 15h desta sexta-feira na Praça da Saudade, no Centro.

Receba Novidades

* campo obrigatório
News larissa 123 1d992ea1 3253 4ef8 b843 c32f62573432
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.