Domingo, 19 de Maio de 2019
IMIGRAÇÃO

Abrigo do Coroado receberá 200 refugiados da Venezuela até o fim do mês

Espaço que atendeu Waraos no ano passado agora atenderá não-indígenas que fogem das crises no país vizinho



CapturarS.JPG
Quadra esportiva do extinto projeto ‘Jovem Cidadão’ foi adaptada e acolheu indígenas do país vizinho até o fim de dezembro. Foto: Euzivaldo Queiroz - 01/dez/2017
12/04/2018 às 05:31

A Prefeitura de Manaus vai modificar o termo de cessão do abrigo que vai receber os cerca de 200 venezuelanos oriundos de Boa Vista (RR) ainda este mês. As chaves do espaço seriam repassadas pela Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas) para as mãos da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) na tarde da última segunda-feira, o que não ocorreu. Os venezuelanos, que entram no Brasil por Roraima, fogem da crise econômica e política por qual passa o país vizinho.

As chaves ainda não foram repassadas, conforme a Semmasdh, porque HÁ mudanças que devem ser feitas no termo. O local  anteriormente seria cedido por seis meses. “Como o secretário assumiu agora, ele pediu para fazer uma avaliação do documento antes de ser assinado”, informou a Semmasdh. O novo titular da pasta é o vereador Danísio Elias, o Dante. 

A Semmasdh informou que, com a saída do ex-secretário Elias Emanuel e a entrada de Danísio, o novo titular da pasta ainda está se informando da situação atual do órgão para dar uma entrevista sobre o assunto.

Não há uma previsão de data específica para que o Governo Federal envie os refugiados venezuelanos para a capital amazonense, mas isso deverá ocorrer ainda neste mês, informou ontem a secretaria.

Com a entrega das chaves, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) irá iniciar as adequações do espaço. De acordo com o órgão, são necessários 15 dias para a conclusão desse trabalho.

Enquanto isso, a equipe técnica da Semmasdh concluiu o Plano de Ação Humanitária para Atendimento do Fluxo Migratório Venezuelano, que contempla o atendimento dos migrantes com a aquisição de alimentos, produtos de higiene, limpeza, contratação de equipe técnica e aluguel de dois veículos. O valor global estimado para atendimento de 200 venezuelanos, pelo período de um ano, é de R$ 3,5 milhões. Antes de ser enviado para o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o Plano de Ação Humanitária deve ser aprovado pelo Conselho Municipal da Assistência Social.

O  espaço de acolhimento que será repassado do governo à prefeitura  fica no bairro Coroado e     estava atendendo apenas  indígenas da etnia Warao. O local   está fechado desde o último dia 31 de dezembro.

A prefeitura mantém duas Casas de Acolhimento para venezuelanos, sendo uma no Centro da cidade e outra no bairro Alfredo Nascimento. No total esses dois locais abrigam 165 indígenas venezuelanos Warao.

Plano em revisão

O Governo Federal determinou a interiorização dos venezuelanos, independente de indígenas ou não-indígenas, e no momento o Plano de Trabalho do Município precisa ser adequado para essa situação, já que ele foi construído para atender  só os indígenas, informou a Semmasdh. O plano já está pronto, passando apenas pela revisão para ser encaminhado ao conselho.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.