Publicidade
Manaus
EM ALERTA

Ações preventivas para a Usina de Balbina no AM entram em pauta nesta quarta (30)

Participam da reunião o Ministério Público e representantes de órgãos de fiscalização ambiental, da Eletrobras e da Mineradora Taboca. “Nós temos aqui no Estado 13 barragens e o que mais nos preocupa é que todas elas têm nível elevado de risco”, alertou a procuradora-geral 29/01/2019 às 16:15
Show balbina a98d9f6d f462 4fd4 9d72 95bd70ac4d86
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

A procuradora-geral de Justiça Leda Mara Nascimento Albuquerque se reunirá nesta quarta-feira (30), com representantes de órgãos de fiscalização ambiental, da Eletrobras e da Mineradora Taboca. O encontro tem como objetivo discutir sobre as providências adotadas para manutenção e utilização de tecnologias, visando a prevenção de sinistros de ordem ambiental, social e humana, referentes à Usina Hidrelétrica de Balbina, localizada no município de Presidente Figueiredo, distante 107 quilômetros de Manaus.

O encontro está marcado para ocorrer às 11h na sede da Procuradoria-Geral de Justiça, localizada na Estrada da Ponta Negra, avenida Coronel Teixeira, 7.995, no bairro Nova Esperança, na Zona Oeste da capital.

De acordo com a procuradora-geral, a questão ambiental exige atenção especial e cuidado com as comunidades que vivem em áreas vizinhas às barragens existentes no município. Para ela, o que mais preocupa nas 13 barragens presentes no Estado é que todas elas têm nível elevado de risco.

“Você vê que na barragem de Brumadinho, o nível de risco era baixo, já o nível de risco das nossas barragens é alto e ainda se soma a essa situação o fato de que hoje, por exemplo, Balbina está cercada por comunidades, por hotéis e pousadas que se instalaram naquela área e que estão sob risco grande se algo de pior acontecer. Temos que tomar uma providência, penso que o momento nos impõe isso, o Ministério Público vai cumprir com seu dever de fiscalizar essa questão do trato ambiental e, sobretudo, o trato e atenção que se deve dar à vida humana”, destacou a procuradora-geral. 

Publicidade
Publicidade