Publicidade
Manaus
Manaus

Acusada de matar a mãe com 109 facadas vai a julgamento na próxima semana

O julgamento, que vai abrir a pauta do 3º Tribunal do Júri, será presidido pelo juiz de Direito Mauro Antony. O Ministério Público Estadual estará representado pelo promotor Rogério Marques. A ré, Giselle Lima da Silva, será defendida pelo defensor público Antônio Ederval 05/03/2013 às 16:49
Show 1
O julgamento ocorre semana que vem
acritica.com Manaus

A mulher acusada de matar a própria mãe com 109 facadas, em junho do ano passado, vai a Júri Popular no dia 13 de março, no Fórum Ministro Henoch Reis, na Zona Centro-Sul de Manaus.

O julgamento, que vai abrir a pauta do 3º Tribunal do Júri, será presidido pelo juiz de Direito Mauro Antony. O Ministério Público Estadual estará representado pelo promotor Rogério Marques. A ré, Giselle Lima da Silva, será defendida pelo defensor público Antônio Ederval.

De acordo com o processo nº 0228290-36.2012.8.04.0001, a acusada teria matado a própria mãe, Maria do Socorro Lima da Silva, de 50 anos, com 109 facadas, no dia 23 de junho deste ano, na presença do seu filho de 8 anos.

O crime aconteceu por volta das 5h, na rua I, Bairro Novo, em Manaus. Na denúncia do Ministério Público consta que Giselle chegou na casa da mãe para pedir dinheiro e quando Maria do Socorro se recusou, as duas teriam discutido. No momento de distração da vítima, a filha teria se armado com uma faca e atacado a mãe, que morreu no local do crime em razão dos graves ferimentos.

O filho de Giselle, de 8 anos, ainda conforme denúncia do MP, teria visto a tragédia. O caso foi enquadrado no artigo 121, parágrafo 2º, I (motivo torpe, já que a vítima foi morta em razão de ter se negado em dar dinheiro à acusada), III (modo cruel, uma vez que Maria do Socorro foi alvo de mais de cem estocadas, “o que a fez sofrer intensamente a cada golpe recebido”, conforme trecho da denúncia do MP, assinada pelo promotor de Justiça Rogério Marques Santos) e IV (surpresa), combinado com artigo 61, II, “e”, todos do Código Penal.

Com informações da assessoria. do Tjam.

Publicidade
Publicidade