Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019
INSTRUÇÃO PROCESSUAL

Acusados de estuprar e matar jovem com um tiro na cabeça são ouvidos

Os traficantes de droga Rodrigo Pinheiro de Souza, o “Amaral”, e Felipe Castro Sanches, o “Dois Quilos”, são apontados como os principais envolvidos na morte da estudante Brenda Rafaela Farias Vieira



jovem_167DB94F-02C4-427D-B77E-87442415EF59.JPG Corpo de Brenda Rafaela foi encontrado dias depois boiando no rio Negro. Foto: Reprodução/Internet
25/02/2019 às 21:07

Começou nesta segunda-feira (25) a instrução processual de julgamento do caso da estudante Brenda Rafaela Farias Vieira, 18, encontrada morta boiando em um  igarapé no bairro Educandos, na Zona Sul, na manhã do dia 30 de maio do ano passado. Os traficantes de droga Rodrigo Pinheiro de Souza, o “Amaral”, e Felipe Castro Sanches, o “Dois Quilos”, são apontados como os principais envolvidos no crime.

A instrução processual começou por volta das 9h e foi presidida pelo juiz da 3ª Vara do Tribunal do Júri, Mauro Antony, com a participação de um representante do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM) e advogados dos réus.  A ideia era ouvir os dois acusados e quatro testemunhas.  A imprensa não teve acesso à audiência que ocorreu as portas fechadas.

De acordo com o magistrado, a instrução tem como objetivo, não só ouvir as partes envolvidas,  mas também serve para tirar as dúvidas sobre o ocorrido. No final, o juiz do caso decide se os réus serão ou não levados a julgamento. Hoje a instrução processual de julgamento entrou pela tarde e Antony não revelou a sua decisão de levar ou não os acusados a Júri Popular.

Estupro e morte

De acordo com a denúncia, elaborada pelo promotor de Justiça Géber Mafra, Brenda Rafaela foi morta no dia 28 de maio. Tudo começou por volta das 18h, quando ela saiu de casa com amigas para irem a uma festa no beco Mestre Chico, no bairro Praça 14 de Janeiro, também na Zona Sul.

No local,  a vítima foi vista bebendo catuaba e, mais tarde, consumindo drogas. Depois disso, as amigas  a levaram para casa. Por volta das 22h, a jovem  foi vista acompanhando os seus assassinos até uma casa na rua Independência, no Igarapé do 40.

No local, além dos denunciados, estavam ainda Mateus Araújo Reis, o “Lourinho”,  e Arlen Oliveira da Fonseca, o “Benayon”, ambos  já falecidos. Eles tentaram ter relações sexuais com a vítima, mas ela não aceitou. A vítima foi estuprada por todos que decidiram matá-la. Amaral teria sido o responsável por atirar na cabeça de Brenda.

Crime é considerado como torpe

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Amazonas (MPAM),  para se livrarem do cadáver, os acusados enrolaram o corpo de Brenda em um plástico e o levaram para a margem do rio no bairro de Educandos. Lá, eles a colocaram numa canoa e depois a jogaram na água. O corpo só foi encontrado dois dias depois por canoeiros que passavam pelo local.

Na denúncia, o promotor de Justiça Geber Mafra destaca que os réus agiram movidos por motivo vil. “Impregnados de maldade, com sanha selvagem e homicida, após a vítima estar entorpecida e em um local onde havia armas de fogo e droga”.  O caso foi classificado pelo Ministério Público como homicídio qualificado praticado por motivação torpe, pois impossibilitaram a defesa da vítima e ainda ocultaram o cadáver.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.