Publicidade
Manaus
ENSINO

Adalberto Valle promove Debate Jurídico sobre imigração com alunos do ensino médio

Estudantes fizeram os papéis da Defensoria e do Ministério Público durante o simulado promovido pelo Centro Educacional nesta quarta-feira (18) 18/07/2018 às 20:58 - Atualizado em 18/07/2018 às 20:58
Show yasmin
Yasmin Almeida foi eleita a melhor debatedora da Promotoria. Foto: Antônio Lima
Vitor Gavirati Manaus (AM)

De um lado a defensoria. Do outro a promotoria. O debate da noite desta quarta-feira (18) era uma espécie de simulado. Mas o tema não tinha nada de simulação. Imigração e Direito: Perda de Soberania ou Respeito aos Direitos Humanos? Essa foi a questão que norteou o 4º Debate Jurídico com alunos do Ensino Médio promovido pelo Centro Educacional Adalberto Valle (CEAV), em Manaus.

Durante o evento que lotou o auditório da Unidade I, no bairro Aleixo, Zona Centro-Sul, oito alunos do CEAV foram divididos para representar o Ministério Público e a Defensoria Pública na discussão sobre a Imigração. Os estudantes foram avaliados por um júri formado pelo defensor público estadual Maurílio Maia e pelo chefe de gabinete de desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) Wilken Almeida. No final, uma equipe seria vencedora e dois alunos premiados como melhores debatedores da noite.

Nas exposições, a Promotoria falou sobre possíveis prejuízos que a imigração de haitianos e venezuelanos traz ao Brasil, defendendo que o assunto precisaria ser repensado. Enquanto a Defensoria destacou a questão humanitária que perpassa a chegada de refugiados ao País, afirmando que a ajuda aos imigrantes deveria continuar sendo feita.

Entre os argumentos do Ministério Público, a ideia de que os sistemas públicos brasileiros, como o de Saúde, não comportariam a chegada de imigrantes, já sendo insuficientes para a demanda da população brasileira; o aumento da criminalidade em estados como Roraima, onde a imigração venezuelana é grande; e a defesa de que as políticas públicas atuais para a recepção aos imigrantes é falha.

Já a Defensoria Pública rebateu a tese focando em aspectos jurídicos como a Nova Lei da Imigração (13.445/2017), que preza pela ajuda humanitária, inclusão social e laboral aos imigrantes e repúdio à deportação; e convenções sobre Direitos Humanos assinadas pelo Governo Nacional.

Prêmios

Após as exposições, avaliando critérios como Correção Gramatical, Raciocínio Jurídico, argumentação, interpretação e exposição dos debatedores, o júri declarou a Defensoria como campeã do debate.

Pelo lado da Promotoria, Yasmin Almeida, foi eleita a melhor debatedora. “Eu não esperava. Eu estava concorrendo com pessoas melhores. Estou muito surpresa e emocionada”, contou a jovem que pretende seguir carreira no Direito.


As duas equipes antes do debate. Foto: Antônio Lima

Paola Burlamaque, apontada como a melhor debatedora na Defensoria, lembrou sobre a preparação para o debate. “Valeu muito a pena. Fizemos intensivos de estudo, práticas de oratória, tudo para ter um melhor desempenho e eu acho muito bom isso que a escola faz pela gente”, afirmou.


Paola durante a argumentação no debate. Foto: Antônio Lima

Para o professor de geografia do CEAV Renato Velas, organizador do debate jurídico, esta foi a melhor de todas as edições do evento “Esse foi o debate mais embasado. Estou emocionado. Essa é uma temática delicada. Além de prepararmos a oratória e o poder de persuasão dos alunos, também estamos incentivando a Justiça entre eles”, comentou.

Os oito alunos que participaram do Debate Jurídico foram selecionados a partir de uma prova. “Essa é uma atividade que aprimora o estudo de métodos de pesquisa, o viver junto e o aprender a ser”, finalizou o professor.

EQUIPE DA DEFENSORIA: Antônio Vinícius Crespo Albuquerque, Anna Beatriz Santana, Paola Burlamaque, Silas Franco.

EQUIPE DA PROMOTORIA: Tiago Milazzo Avellar, Gustavo Campos, Gisele Araújo e Yasmin Almeida.

Publicidade
Publicidade