Sábado, 24 de Agosto de 2019
ESTRANGULADO

Adolescente é morto estrangulado e padrasto é preso suspeito de matá-lo em Manaus

A vítima, de 13 anos de idade, foi encontrada morta com marcas de esganadura e escoriações pelo corpo dentro da casa onde morava



Garoto.jpeg Foto: Arquivo A Crítica
19/03/2018 às 12:00

O adolescente de 13 anos Carlos Eduardo Martins foi encontrado morto pelos familiares dele com sinais de estrangulamento na noite deste domingo (18), dentro da casa onde morava, no beco São Francisco, bairro Mauazinho, Zona Leste de Manaus. O padrasto da vítima, Naldo da Silva e Silva, de 35 anos, foi preso suspeito de matá-lo.

A delegada Juliana Tuma, titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), confirmou que o padrasto é o principal suspeito. De acordo com ela, o adolescente foi encontrado morto com marcas de esganadura e escoriações pelo corpo, o que leva à situação de homicídio e não acidente. Além disso, indícios encontrados no interior da residência deram a entender que houve uma luta corporal entre a criança e o padrasto.

“Todos os indícios levam a crer que o padrasto esganou a criança. Ele contou três versões diferentes. Em um momento ele disse que o garoto se enrolou na rede e ele tentou ajudar, mas não conseguiu e foi pedir ajuda na igreja, em vez de pedir ajuda aos vizinhos mais próximos. Em uma outra versão ele conta que encontrou o menino desmaiado no chão e ainda conta que o menino se engasgou e sufocou”, disse a delegada Juliana Tuma.

Segundo a delegada, uma tia da vítima, Rosana Cunha, de 23 anos, foi à sede da delegacia e contou que o padrasto nunca gostou de Eduardo. Ela disse ainda que a família estava reunida comemorando o aniversário de 30 anos da mãe dele, Rosa Maria, mas que os dois, Eduardo e Naldo, foram pra casa mais cedo. Um tempo depois, Naldo ligou pra ela informando que o garoto havia se enforcado nos punhos da rede e estava sem fôlego.

Juliana Tuma disse ainda que a mãe e a tia da criança relataram que os dois haviam passado o dia se ofendendo, no entanto, Naldo afirmou que amava o menino como filho. A criança foi levada agonizando, mas ainda em vida, para o Hospital e Pronto-Socorro da Criança da Zona Leste, o “Joãozinho”, mas mesmo após o socorro insistente para reanimá-lo foi verificado que o oxigênio não alcançou o cérebro e o garoto acabou morrendo.

O padrasto foi detido por policiais militares da 29ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e levado para a Depca. Ele negou a autoria e disse que o garoto se enforcou. A delegada encaminhou o homem para fazer o exame de DNA e verificar se há nas unhas do homem algum resquício de pele da vítima. Posteriormente, ele deverá ser novamente conduzido novamente à delegacia onde ficará detido até o decorrer das investigações.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.