Publicidade
Manaus
PROTESTO

Agentes penitenciários fazem manifestação por reajuste de 100% e ameaçam paralisar

Em protesto em frente à sede do Governo do Estado, a categoria reivindica aumento salarial de 100%, além de uma data base de 11%, entre outros benefícios 26/03/2018 às 14:01 - Atualizado em 26/03/2018 às 14:59
Show manifesta  o agentes
Os trabalhadores alegam que estão há mais de 25 anos sem receber o reajuste salarial (Foto: Divulgação)
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Agentes penitenciários do Amazonas realizaram uma manifestação na manhã desta segunda-feira (26), em frente a sede do Governo do Estado, localizada na Avenida Brasil, no bairro Compensa, na Zona Oeste de Manaus. A categoria reivindica reajuste salarial de 100%, além de uma data base de 11%, entre outros benefícios.

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Amazonas (Sinspeam), Rocinaldo Silva, afirmou que os trabalhadores também querem um novo plano de cargos e carreiras. "O motivo dessa manifestação é que queremos um apoio do governo em relação ao nosso plano de cargos e carreiras. Também queremos o retorno do ticket alimentação, data base de 11% e um reajuste de 100%. É até pouco, porque estamos há 25 anos sem ter esse reajuste", destacou.

O sindicalista também explica que foi recebido na manhã desta segunda-feira (26) por representantes do Governo do Estado. "Fomos chamados e montamos uma comissão com cinco pessoas. Falamos com o chefe da Casa Civil, mas queremos falar com o próprio governador. Demos um prazo de 15 dias para que sejamos respondidos", comentou Rocinaldo.

Caso o governo não responda no prazo solicitado, a categoria ameaça deflagrar uma greve geral no Amazonas, segundo Rocinaldo. Atualmente, o Estado possui 205 agentes penitenciários. O salário dos servidores é de R$ 3,5 mil, conforme o representante dos agentes penitenciários. "Fizemos hoje uma manifestação pacifícia, mas se não formos respondidos, vamos paralisar geral", enfatizou Rocinaldo Silva.

Governo responde

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que a situação nas unidades prisionais de co-gestão: regime semiaberto do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj Semiaberto) e Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPM II), estão normalizadas e sem registro de ausência ou falta de agentes penitenciários de carreira da Seap.

A secretaria afirmou que o titular da pasta, coronel da Polícia Militar, Cleitman Coelho, vem se reunindo com a titular da Secretaria de Estado de Administração e Gestão (Sead), Angela Bulbol de Lima, para tratar de demandas relacionadas aos agentes penitenciários de carreira no sistema prisional do Amazonas, que atualmente dispõem de um quadro de 65 agentes. Segundo o órgão, entre os pontos das reuniões estão o plano de cargos e carreiras dos agentes, tendo em vista os reajustes salariais para a categoria e o concurso público para novos agentes.

A Seap também explicou que não procede a denúncia do grupo de cerca de 20 agentes que realizaram manifestação na sede do Governo, sobre o quantitativo de policiais militares na secretaria, onde foi declarado que a Seap dispõem de 150 militares atuando em gabinetes. O órgão relatou que atualmente possui em seu quadro, 62 policiais militares, sendo 90% desse número correspondendo a militares que estão lotados nos setores operacionais e unidades prisionais do Amazonas.

Publicidade
Publicidade