Publicidade
Manaus
VIOLÊNCIA

‘Além de ser um grande policial, era um grande pai e amigo’, diz irmã de PM morto

Amigo do PM falou bastante emocionado, sobre o desejo do policial em comprar um terreno no local onde foi encontrado morto na tarde desta terça-feira (30) 31/05/2017 às 09:44 - Atualizado em 31/05/2017 às 09:52
Amanda Guimarães Manaus (AM)

O velório do soldado da Polícia Militar, Paulo Sérgio Portilho, 34, foi realizado com muita comoção na manhã desta quarta-feira (31), no Comando da Polícia Militar, na Zona Centro-Sul de Manaus. Cerca de 100 pessoas participaram da cerimônia fúnebre, entre policiais, amigos próximos e familiares. A banda marcial do órgão também apresentou músicas religiosas.

O policial estava há oito anos na Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMAM) e era lotado na Diretoria de Tecnologia e Informação. A irmã mais velha de Paulo, Márcia Cristian Portilho, de 37 anos, comentou que a família ficou desesperada com o sumiço do irmão.

"Ele sumiu na sexta-feira. Fui saber apenas no sábado. Minha irmã ligou assustada dizendo o que tinha acontecido. Meus pais são hipertensos. Nossa família está muito abalada. São realmente dias de tormento. Não aguento essa situação", disse ela, muito abalada.

Márcia também acrescenta o quando admirava o irmão, pois além de ser um grande policial, era um grande pai e amigo. Paulo deixou filhos de 6 anos e 10 anos, e esposa.

"Meu irmão querido. Se eu for falar dele são tantas coisas maravilhosas. Tão responsável e inteligente. Ele estava sempre para ajudar e não tinha tempo ruim. Procurava sempre trabalhar. Não fazia mal para ninguém e agora estava indo para a igreja", comentou.

O corpo será enterrado por volta das 15h, no Cemitério São João Batista. Um amigo próximo do policial, que não quis se identificar, disse que Paulo era uma grande pessoa. "Ele trabalhava na área da internet. A última vez que falei com ele foi na sexta-feira. O Paulo amava terrenos. Ele queria comprar uma área lá na invasão, me disse que ia investir, mas não voltou mais quando foi visitar lá", disse.

O amigo do policial também acrescentou que desenvolveu uma relação de amizade verdadeira com o vizinho. "Nós éramos amigos há 3 anos. Quando cheguei no bairro me ajudou a conhecer todo mundo lá. Sempre fazíamos churrascos juntos e estamos muito abalados", completou.                        

Durante a cerimônia fúnebre, familiares muito abalados gritaram palavras de ordem por justiça.

Encontrado morto em invasão

O corpo do policial militar Paulo Sergio Portilho, 34, foi encontrado na tarde desta terça-feira (30) por uma cadela do canil da PM. O cadáver não apresentava aparentemente sinais de tiro e estava enterrado em uma área da invasão chamada Buritizal Verde, no bairro Nova Cidade, na Zona Norte de Manaus. De acordo com o comandante geral da PM, David Brandão, após a possível localização de onde estaria o corpo, policiais ajudaram a cavar com pás e  com uma retroescavadeira o local.

Brandão explicou que o corpo estava enterrado há pelo menos quatro dias e que não apresentava visivelmente nenhuma perfuração de tiro. “Nenhuma parte estava suprimida, nada foi cortado, o corpo estava inteiro, com algumas marcas de violência. Aparentemente não tinha marca de tiro, mas isso a perícia que de fato vai determinar se foi arma branca”.

Publicidade
Publicidade