Domingo, 19 de Maio de 2019
Manaus

Além do mosquito Aedes Aegypti, imóveis abandonados viram foco de leptospirose em Manaus

Segundo a Semsa, maiores taxas de incidência da leptospirose são evidenciadas nos bairros da Zona Norte, Leste e Sul, áreas mais propícias para o aparecimento de roedores



1.jpg
Casas e terrenos abandonados preocupam vizinhos por favorecer proliferação de animais e insetos causadores de doença
15/01/2016 às 11:02

Além de serem locais favoráveis para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, Zika Virus e febre Chikungunya, os imóveis e terrenos abandonados, encontrados em vários pontos da cidade, também escondem outro perigo com o acumulo de entulhos, matos e lixos: os ratos.

O roedor transmite várias doenças aos seres humanos e a leptospirose, transmitida pela urina, é apenas uma delas. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Manaus registrou 26 óbitos pela doença, no período de 2011 a 2016. O primeiro - e único, até ontem - caso deste ano ocorreu no bairro do Parque Dez, Zona Centro Sul.

Mas o problema não se restringe à Zona Centro-Sul. Moradores de outras áreas, como o Japiim 2, na Zona Sul, reclamam que, nos últimos dois meses, a presença dos roedores aumentou no local, trazendo o medo de doenças para a população. “Moro há oito anos no bairro e realmente percebi que cresceu o número de ratos e catitas por aqui. Há cerca de cinco dias amanheceu um rato morto, abatido pelo meu cachorro. Antes isso não acontecia com tanta frequência”, conta a dona de casa Ivaneide Carvalho, 51.

Outro morador também confirma a presença constante desses animais e suspeita que a causa da proliferação, além das inúmeras casas e terrenos abandonados no bairro, seriam os lixos com sobras de comidas jogados pelos vizinhos nos bueiros, que acabam entupidos.

Ocorrências

De acordo com a Semsa, as maiores taxas de incidência da leptospirose são evidenciadas nos bairros localizados na Zona Norte, Leste e Sul da capital, onde estão as áreas mais propícias para o aparecimento de roedores. “São áreas que obtém maior contingente populacional, pelas suas características de infraestrutura deficiente, comprometimento geográfico com registros de grandes áreas de alagação, onde estão localizadas residências construídas em madeira (palafitas) e carência de rede de esgoto”, alerta a secretaria.

O bairro da Cidade Nova, na Zona Norte, foi o que registrou o maior número de casos de leptospirose nos últimos dois anos, sendo 22 notificações no ano de 2015 e 19 em 2014. Em seguida vêm os bairros Cidade de Deus, Compensa, Jorge Teixeira, Flores, Redenção, bairro da Paz, Zumbi dos Palmares, Santa Etelvina e Tarumã, como os mais preocupantes para a saúde pública.

Prevenção

A Semsa alerta que o acúmulo de lixo conduzido pelas águas favorece a proliferação de animais e insetos causadores de doenças, como ratos, baratas e mosquitos, além da possibilidade de aumento da ocorrência de acidentes com animais peçonhentos, agressão por cães e gatos e tétano acidental. A secretaria recomenda para prevenção de doenças, principalmente, a limpeza das residências e quintais, da caixa d’água, acondicionamento adequado do lixo e armazenamento a apropriado dos alimentos para evitar o contato com animais.

Sintomas

Os mais frequentes são parecidos com os de outras doenças, como a gripe e a dengue. Os principais são: febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata da perna), podendo também ocorrer vômitos, diarréia e tosse. Nas formas mais graves geralmente aparece icterícia (coloração amarelada da pele e dos olhos) e há a necessidade de cuidados especiais em caráter de internação hospitalar. O doente pode apresentar também hemorragias, meningite, insuficiência renal, hepática e respiratória, que podem levar à morte.

Limpeza de igarapés é intensificada

A Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) informa que mantém uma série de atividades de limpeza pública, como varrição de ruas, limpeza de igarapés, coleta domiciliar e seletiva entre outros. Além disso, trabalha dentro das comunidades, levando informações sobre a importância de se descartar corretamente o lixo.

Na época de chuvas, os serviços diários nos igarapés ganham mais visibilidade por causa do aumento dos leitos e do lixo represado e passa a contar com 60 funcionários. Em 2015 foram retiradas 8.236 toneladas de resíduos sólidos dos  igarapés e córregos de Manaus, uma média de 25 toneladas por dia.

Denúncias

Segundo o Centro de Controles de Zoonoses (CCZ) além da leptospirose, não há demanda de outras patologias relacionadas aos roedores, como o rato,  em Manaus. Para denúncias, a pessoa deve ligar para o Centro de Controle, no telefone 3625-2655, que o CCZ envia um biólogo para fazer o levantamento da situação e checar a medida que poderá ser adotada no local.

Cuidados necessários:

- Não jogue lixo ou entulho nos córregos, praças, terrenos baldios e bueiros;
- Em casa, mantenha o lixo em local apropriado e com tampa;
- Coloque o lixo na rua pouco antes do horário da coleta;
- Mantenha portas e janelas fechadas à noite;
- Utilize ralo abre-e-fecha, mantenha-o sempre fechado;
- Instale telas em frestas e aberturas;
- Deixe sempre a tampa do vaso sanitário abaixada;
- Não deixe a ração e água do seu animal doméstico expostos durante a noite;
- Evite acumular caixas de papelão, caixotes, madeira, jornais velhos e entulhos no quintal;
- Mantenha quintal, garagem, porões e sótãos, limpos e livres de “tranqueiras”;
- Deixe a comida sempre guardada na geladeira e os alimentos tampados nos armários.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.