Publicidade
Manaus
Manaus

Alerta no ar: Nuvem de fumaça é resultado de ação criminosa

Em dois dias, 51 focos de incêndio ativos no Amazonas, causados por ação humana, foram registrados pelo Inpe, todos na Região Metropolitana de Manaus (RMM) 19/10/2015 às 21:03
Show 1
No porto de Manaus, Centro, Zona Sul, a visibilidade dos barcos era reduzida pela nuvem de fumaça que cobria o rio
Isabelle Valois Manaus (AM)

Nas últimas 48 horas o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 51 focos de incêndio ativos no Amazonas e todos eles estavam concentrados na Região Metropolitana de Manaus (RMM), de acordo com o secretário estadual de Meio Ambiente, Antônio Stroski, que revelou, ainda, que a maioria foi ocasionada pelo homem, ou seja, criminosa.

O surgimento desses novos focos de queimada, aliado à ausência de rajadas de vento, foi responsável pelo adensamento da nuvem de fumaça que encobriu a capital durante todo esta segunda-feira (19), quando, diferente dos outros dias, a névoa cinza não se dissipou ao longo do dia.

O titular da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Antônio Stroski, informou que todos os 51 focos estão sendo monitorados  pela secretaria por meio de satélites. “Quando identificamos o foco de calor, acionamos os nossos parceiros, que neste caso é o Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas), que tem a responsabilidade de ir a campo e verificar o nível da situação e encontrar o responsável pela queimada”, contou.

Após a fiscalização do Ipaam na área do foco de queimada, o instituto aciona o Corpo de Bombeiros para combater o incêndio e, caso seja necessário, os bombeiros acionam a Defesa Civil do Município e os brigadistas para este combate.

“Grande parte desses incêndios são de origem criminosa, ocasionados pelo homem. No caso dos 51 verificados nas últimas 48 horas, estão sendo geoferenciados e monitorados por nossas equipes”, reforçou.

Sobre a presença pertinente da fumaça nesta segunda-feira, considerado pelo secretário o dia mais intenso que os demais 19 dias de outubro, Stroski explicou que a ausência das rajadas de vento fez com que a fumaça permanecesse durante todo o dia.

“Essa ausência ou baixa rajadas de vento na cidade é ocasionada pela falta de chuva na região, e a falta de chuva está relacionada ao fenômeno El Niño, que está evitando que ocorra chuvas em nossa região. Sem o vento e a alta temperatura a fumaça permanece da cidade”, explicou.

Proteção

De acordo com a gerente de venda da loja especializada em artigos hospitalares Instrumental Técnico, Rose Souza, na segunda-feira houve um aumento na procura por máscaras descartáveis. “Desde o início do mês, diariamente, houve um aumento em procura pelas máscaras descartáveis. Estamos vendendo por média 20 caixas a mais do que  vendíamos de costume”, disse.

A gerente explicou que as máscaras mais procuradas são a N95, conhecidas como “bico de pato”. “Elas são mais resistentes e filtram melhor o ar”, explicou.

Publicidade
Publicidade