Sexta-feira, 03 de Abril de 2020
FISCALIZAÇÃO

Alfândega registra apreensão recorde no Porto de Manaus em 2019

Foram apreendidos R$ 9,26 milhões em mercadorias irregulares (233% a mais que em 2018) e mais de 3,33 toneladas de entorpecentes



Alfandega_9C72C97A-DD8A-4D8E-B083-285255CE358E.jpg Foto: Divulgação
03/02/2020 às 20:29

A Alfândega do Porto de Manaus fez apreensão recorde de mercadorias irregulares e de drogas no ano passado. O resultado é fruto do investimento em tecnologia, capacitação dos servidores e utilização de equipamentos adequados, como scanners, cães de faro e a própria intensificação das operações de vigilância e repressão aduaneira, que em 2019 chegaram a 4.837 operações, ante 3.343 no ano anterior, conforme relatório anual dos resultados das apreensões feitas pela Receita Federal.

De acordo com o relatório, em 2019 foram apreendidos R$ 9,26 milhões em mercadorias irregulares (contrabando e descaminho) em Manaus. O aumento foi de R$ 7,1 milhões em relação a 2018, quando foram apreendidos R$ 2,13 milhões, o que representa 233%.



O relatório mostra também que em todo Brasil as apreensões em mercadoria irregulares foram de R$ 3.256.750.247,91. O valor, que é o novo recorde histórico da instituição, supera em 3,22% o alcançado no ano de 2018.

Do total de mercadorias apreendidas no Amazonas, os itens que lideram a lista de bens apreendidos foram eletroeletrônicos (R$ 1,06 milhão), pneus (R$ 204, 87 mil), cigarros (R$ 224 mil) e brinquedos (R$ 104,26 mil).

Além das mercadorias irregulares, a Alfândega também apreendeu no Amazonas grande quantidade de drogas diversas. Foram 3,33 toneladas de maconha hidropônica, conhecida como Skank; 3,78 quilos de haxixe; 260 quilos de cocaína; 2,62 quilos de maconha comum; 5. 024 unidade de Ecstase; 1,48 unidades de MDMA; 2.0502 pontos de LSD; e cinco frascos de canabidiol.

Em todo Brasil, foram apreendidos 63 toneladas de entorpecentes. Destes, 57,15 toneladas de cocaína. Esse resultado supera em 60,02% o alcançado em 2018, quando totalizou 39,82 toneladas.

O aumento no volume de apreensões está sendo atribuído pela Receita Federal ao aperfeiçoamento das técnicas de controle aduaneiro, com uso intensivo de gestão de riscos, de ações de inteligência e de integração institucional.

O relatório explica que a atuação da Receita Federal na área de vigilância e repressão aduaneira tem como foco a proteção à sociedade, a segurança pública e a defesa do mercado legal brasileiro. No que se refere à proteção da sociedade, as ações têm por propósito a defesa da saúde pública, do meio ambiente, do patrimônio histórico, artístico e cultural, da fauna e da flora e dos direitos do consumidor. É o que mostra o relatório.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.