Publicidade
Manaus
Manaus

Alunos da Fucapi desenvolvem alternativa para carregar celular com energia eólica

Para a professora responsável pela equipe, Prisciane de Paula, a ideia visa não somente a inovação tecnológica como também economia 02/11/2015 às 09:12
Show 1
Turma de Eletrotécnica da Fucapi cria gerador para carregar celular em motocicletas e começa a gerar energia a partir de 55 km/h. Outra novidade é o acionamento de lâmpada de emergência por meio de energia eólica
kelly melo ---

Em tempos de crise econômica em que as contas, principalmente as de energia, começam a doer no bolso consumidor, alunos da Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucapi) buscam encontrar alternativas que possam baratear os custos com a energia elétrica utilizando os benefícios da energia eólica.

Os alunos de uma das turmas de Eletrotécnica foram ousados. Além de utilizarem a vento como a principal fonte de energia para abastecer pequenos geradores, eles também querem usar essa fonte para carregar celulares durante uma viagem de moto ou acender lâmpadas de emergência.

A pesquisa “Mini gerador eólico/magnético portátil de CC” foi apresentada durante a 12ª Feira Tecnológica da instituição, realizada na semana passada. Para a professora responsável pela equipe, Prisciane de Paula, a ideia visa não somente a inovação tecnológica como também economia. “A nossa ideia foi propor alternativas para fugir da energia da concessionária e por isso nós desenvolvemos várias aplicações para equipamentos portáteis, que não precisam de uma alta tensão para serem carregados”, explicou a professora.

Embora não seja uma cidade considerada ventilada, o Jonathan Cavalcante, 25, afirma que não é necessário grandes velocidades para conseguir tensão suficiente para gerar energia. Por causa disso, ele e alguns colegas da turma desenvolveram um gerador eólico para ser adaptado em capacetes de motociclistas. Enquanto o condutor estiver dirigindo, o gerador absorve o vento e o transforma em energia.

“Nós criamos um circuito para ser adaptado ao capacete. A partir de velocidade média de 55 km/h, o circuito começa a gerar energia capaz de carregar um celular. Mas também estamos desenvolvendo um adaptador para colocar no guidão da moto. Assim como as pessoas carregam os celulares em carros, vamos poder carregar em motos também”, afirmou o jovem que acredita que a tecnologia está pronta para ser comercializada.

Lâmpada ligada com o vento

O estudante David da Costa Mota, 29, pensou em uma outra aplicação de energia eólica. Ele e os colegas de turma estão desenvolvendo um dispositivo capaz de acionar lâmpadas de emergência através do vento.

Na prática, segundo David, o gerador possui uma série de componentes eletrônicos além de uma hélice que, ao ser movida pelo vento, faz a rotação e transforma a energia, fazendo com que a tensão chegue aos outros componentes. “Assim a chave de acionamento vai ligar as lâmpadas de emergência e podemos fugir do uso da energia da concessionária. Vale ressaltar que essas lâmpadas têm que ser de led, pois elas consomem menos tensão, logo, menos energia”, explicou ele.

Para o aluno, os experimentos apresentados pela turma dele são soluções que podem diminuir o consumo de energia elétrica, consequentemente, diminuir custos. “O nosso projeto visa alternativas para equipamentos pequenos que precisam de pouca tensão para funcionar. E hoje em dia, ninguém vive sem celular, ou as lâmpadas de emergência precisam ser colocadas na tomada”, afirmou.

Tudo reciclado

De acordo com a professora de eletrotécnica Priscianne de Paula, uma das vantagens do projeto foi todos os equipamentos utilizados na confecção dos experimentos da equipe são de materiais recicláveis. Além disso, ela destacou que apesar de os ventos não serem tão fortes em Manaus, a energia eólica pode ser uma alternativa para a economia. “Embora a energia eólica não tenha muito a ver com a nossa região, estamos propondo modelos que não precisam de uma demanda muito grande vento. O importante é usar cada vez menos a energia da rua”, ressaltou Priscianne.


Publicidade
Publicidade