Publicidade
Manaus
Manaus

Amazonas Energia tenta explicar, mas população continua a sofrer com serviço precário

Concessionária diz que vivemos o período mais crítico do ano, mas na sexta-feira, por exemplo, problema equivaleu a 3% da carga 13/11/2013 às 09:16
Show 1
Sem energia desde segunda-feira (11), às 19h30, moradores do São José atearam fogo em pneus e paralisaram o trânsito
Steffanie Schmidt Manaus, AM

A Eletrobras Amazonas Energia informou que o período mais crítico em relação ao serviço de abastecimento de energia é agora, quando acontece a transição da estação seca para a chuvosa, o chamado inverno amazônico. “Após a estabilização do período chuvoso, a empresa acredita que os problemas serão reduzidos significativamente”, diz trecho do comunicado enviado à reportagem.

No último domingo (10), A CRÍTICA mostrou as consequências da falta de energia na cidade após o registro de temporais.

Além disso, a empresa afirma que é suscetível às intempéries do clima “assim como ocorre com qualquer empresa do setor elétrico no mundo que possuem redes aéreas” e que na última sexta-feira, houve muitos registros de ocorrências provocados por árvores, chapas metálicas sobre as redes e até mesmo uma fita metálica de um edifício em construção, que chegou a ser lançada pelo vento sobre uma linha de subtransmissão de 69 KV, na avenida Recife, próximo ao Hotel Quality. Em função disso, houve desligamento de 10 alimentadores que atendem a Zona Centro-Sul.

“Quando os alimentadores foram restabelecidos, foram registrados apenas desligamentos de pontos isolados (consumidor baixa tensão), a maioria causados por árvores em condomínios”. Ao todo, o evento da última sexta-feira, representou a interrupção no fornecimento de energia de 30 MW, o que representa 3,3% da carga total, que gira em torno de a 900 MW.

Além disso, segundo a Eletrobras Amazonas Energia, ocorreram, na semana passada, os chamados “desligamentos bons” (programados), que têm o objetivo de colocar novas obras em subestações e novos alimentadores em operação para aumentar a capacidade de atendimento à população.

Trânsito
Nem sempre a falta de energia é a causa dos transtornos ocorridos no trânsito de Manaus, segundo a concessionária. O problema, segundo a empresa, é que os semáforos, em alguns casos, ficam em condição intermitente, mesmo após o retorno de energia. “A mesma dificuldade surge também para os carros da empresa que atendem as ocorrências já que eles não conseguem se locomover no trânsito”, diz trecho do comunicado.

Problemas são na rede de distribuição
Segundo a Eletrobras Amazonas Energia, nos últimos três anos não foi registrada a falta de abastecimento de energia por problemas de geração. “Os problemas que ocorreram em Manaus na semana passada, em nada tem a ver com a interligação ao Sistema Interligado Nacional (SIN) por meio da linha de transmissão Tucuruí – Macapá – Manaus, que funciona em caráter experimental desde julho.

O fato ocorreu em função de problemas isolados ocasionados por fortes rajadas de ventos que foram registrados em Manaus pelos órgãos competentes como Instituto Nacional de Metereologia (Inmet) e Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), segundo a concessionária.

A integração ao sistema elétrico brasileiro serviu para complementar e assegurar o abastecimento de energia elétrica para Manaus e municípios que compõem a Região Metropolitana como Iranduba, Manacapuru e Presidente Figueiredo. Além disso, segundo a Eletrobras Amazonas Energia, o fato “dá maior robustez ao sistema”.

Na edição de segunda-feira, uma moradora do bairro Parque Dez, Zona Centro-Sul, informou que desde o apagão sofrido por conta da interligação ao linhão, não tem o abastecimento feito com regularidade em casa.

Estrutura
O número de equipes que atendem as ocorrências em Manaus muda de acordo com as contingências. Em situações críticas, a empresa informou que aciona reforços envolvendo equipes de outras áreas que são deslocadas para atender as emergências.

Quanto ao contrato com a D5 Assessoria e Serviços Ltda, contratada como prestadora de serviços de religação, a concessionária informou que valores são itens de interesses entre as partes envolvidas e possuem cláusulas de confidencialidade.

A reportagem obteve informações junto a funcionários da D5 de que apenas quatro carros são disponibilizados para atender as ocorrências a partir das 23h, conforme publicado na edição do último domingo. A concessionária de energia informou ainda que “atende ocorrências a todo momento”.

Publicidade
Publicidade