Publicidade
Manaus
ELEIÇÕES SUPLEMENTAR

Amazonino Mendes coloca candidatura 'nas mãos do povo'

'Nasci cidadão do povo, é meu destino, é minha vida. Não posso me negar se for necessário', afirmou o ex-governador 26/05/2017 às 21:59 - Atualizado em 26/05/2017 às 22:13
Show amazonino0888
(Foto: Antonio Lima)
Rafael Seixas Manaus

Em sua primeira aparição pública após ir a São Paulo se tratar de uma inflamação anaeróbica, Amazonino Mendes (PDT) informou que se for necessário para o Estado concorrer a eleição suplementar, ele não poderá se negar. A declaração foi dada na noite desta sexta-feira (26), durante a entrega do Diploma do Mérito Industrial 2017, no Clube do Trabalhador do Amazonas (Sesi), na Zona Leste de Manaus.

"Sempre disse que não  era mais candidato a nada, mas sempre disse que sou um cidadão. Nasci político e vou morrer político. Se eu sentir que essa convocação é importante para meu povo, esse povo que me deu três mandatos de governador, não  posso me furtar.  Essa questão  deve ser considerada, discutida na área própria e com o próprio povo, porque ele é  responsável por nossos destinos", declarou o ex-governador, que figura como um dos nomes mais cotados do PDT para disputar a eleição suplementar que ocorrerá no dia 6 de agosto.

"Não estou atrás de honraria nem bens materiais, mas da gratificação de ajudar meu estado e ajudar meu povo. Estou forte, saudável, firme e cheio de vontade", completou.

Apesar da idade, Amazonino considera que está  pronto para percorrer os municípios do Estado para pedir votos, caso concorra ao cargo de novo chefe do Poder Executivo. "Nasci cidadão do povo, é meu destino, é minha vida. Não posso me negar se for necessário", afirmou  ele, um dos homenageados do Diploma do Mérito Industrial 2017.

Ao ser questionado se já fechou alianças políticas, ele se limitou a dizer que essa é  uma conversa que deve ocorrer,  por enquanto, nos bastidores. Além  de Amazonino foram homenageados no evento os empresários Carlos Alberto de Souto Maior Conde e Roberto Benedito de Almeida, o general Guilherme Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira e a empresa Recofarma do Amazonas.

Publicidade
Publicidade