Publicidade
Manaus
COMUNIDADE ARTUR BERNARDES

Após acordo com Governo, grupo de moradores faz novo protesto na Zona Oeste

Revoltados porque parte dos moradores da comunidade Artur Bernardes aceitou sair do local depois de receber o auxílio aluguel, grupo de invasores faz manifestação 05/04/2017 às 17:35 - Atualizado em 05/04/2017 às 20:03
Kelly Melo Manaus

Um grupo de invasores que ocupou um terreno na comunidade Artur Bernardes, no São Jorge, na Zona Oeste de Manaus, fez uma manifestação no local na tarde desta quarta-feira (05). Eles ficaram revoltados  porque parte dos ocupantes saiu da comunidade durante a manhã de hoje, após entrar em acordo com o Governo, para receber o auxílio aluguel.

A confusão foi gerada devido a maioria das pessoas ter decidido apoiar o movimento da comunidade Artur Bernardes. "Agora que eles resolveram a situação deles, viraram as costas pra gente e disseram que a gente tem que dar um jeito para conseguir uma casa", informou a dona de casa Ana Patrícia Pinto.

O auxiliar de pedreiro Alex Oliveira, 28, contou que mais de 170 Famílias assinaram uma lista para garantir uma moradia. "Nós estamos aqui há três dias pegando sol e chuva. Estamos nos sentindo enganados pelo seu Farias, o líder comunitário que pediu a nossa ajuda", denunciou.

Segundo os moradores, esse líder comunitário convenceu pessoas de outras comunidades a demarcar o terreno para chamar a atenção do poder público. "A culpa é dele. Só vamos sair daqui depois que trouxerem um solução para nós", relatou.

Os invasores fecharam a avenida Artur Bernardes e montaram barricadas. O trânsito na área teve que ser desviado.

Mais de 20 policiais da 21º Companhia Interativa Comunitária, Força Tática e Rocam estão no local para manter a ordem, mas segundo o aspirante Fernandes Neves, da 21ª Cicom, eles ainda não aceitaram uma negociação.

Auxílio aluguel
Moradores da comunidade Arthur Bernardes, que voltaram a ocupar a área destruída pelo incêndio ocorrido em novembro de 2012, receberam, na manhã desta quarta-feira (5), a resposta do governador do Amazonas, professor José Melo, de que o Estado vai voltar a pagar o aluguel social, para famílias que optaram por esperar uma unidade habitacional do Estado, e vai pagar a indenização para as outras que preferiram receber o dinheiro pelo imóvel destruído.

A informação foi repassada, em reunião com os representantes da comunidade, pela diretora-presidente da Superintendência de Habitação do Amazonas (Suhab), Indra Mara Bessa, e pelo titular da Secretaria de Administração e Gestão (Sead), Sílvio Romano. O montante de indenizações que serão pagas é de R$ 4,9 milhões, recurso que sairá direto do tesouro estadual.

Segundo dados da Suhab, quando o incêndio aconteceu, 568 famílias estavam cadastradas como moradoras daquela área, que já havia sido incluída no Programa de Saneamento dos Igarapés de Manaus (Prosamin). No início de 2016, haviam 485 famílias da comunidade Artur Bernardes cadastradas na Suhab e recebendo bolsa moradia transitória. Destas, 138 receberam unidades habitacionais e 129 as indenizações devidas, restando atualmente apenas 218 famílias. Agora, o governador José Melo autorizou o pagamento das indenizações para mais 128 famílias e o pagamento do bolsa moradia transitória para 90 restantes que optaram por unidade habitacional. Os pagamentos estão previstos para serem efetuados até o dia 28 de abril.

Publicidade
Publicidade