Publicidade
Manaus
Manaus

Após assalto e tortura, família sofre ameaça de morte na Zona Norte de Manaus

Nesta segunda-feira (1), os filhos de Evandro mudaram de endereço por medo de represálias. Outros familiares também estão pensando em mudar de casa 01/06/2015 às 20:49
Show 1
Família do presidente da Lidam foi feita refém na manhã deste domingo (31)
acritica.com ---

Familiares do presidente da Liga Desportiva do bairro Amazonino Mendes (Lidam) e ex-policial militar, Evandro Marinho de Brito. 50, estão recebendo ameaças de traficantes após dois bandidos terem sido mortos, no último domingo, durante um assalto na casa do líder desportivo.  Nesta segunda-feira (1), os filhos de Evandro mudaram de endereço por medo de represálias. Outros familiares também estão pensando em mudar de casa.

Evandro Marinho segue internado no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na Zona Centro-Sul, e está fora de perigo.  Ele, a esposa, três filhos e uma nora foram rendidos em casa, na rua Gaivota, no Amazonino Mendes,  Zona Norte,  pelos assaltantes Kaíque Matheus Moraes Baia, 17, e Luiz Carlos Barbosa Nunes, o “Negão”, que buscavam pela quantia de R$ 10 mil que seria usada na premiação de um campeonato de futebol.

Como não encontraram o dinheiro, os bandidos ameaçaram e torturaram a família. Kaíque chegou tentar a cortar os dedos do filho mais velho do Evandro, que conseguiu se soltar e reagiu ao assalto.

“Foi nesse momento que os tiros foram disparados, o Evandro foi baleado, e o Kaíque foi morto. O outro assaltante morreu no hospital, porque levou uma facada nas costas”, explicou o delegado do 27º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Ricardo Leite. Para o delegado, a atitude do líder desportivo foi heróica. No entanto, ele recomenda  nunca reagir em situações semelhantes. “Não é certo reagir. Todos correram riscos e o resultado poderia ter sido ainda mais trágico. Mas isso foi é o reflexo de um pai de família que saiu em defesa da família”, destacou.

De acordo com o delegado, o caso já está sendo investigado e a polícia vai trabalhar para identificar outros dois suspeitos que teriam dado suporte ao bandidos mortos.


Publicidade
Publicidade