Publicidade
Manaus
DISCUSSÃO

Após confusão, Wilker Barreto pede "um pouco de desculpa" a Joana D'Arc

Presidente da Câmara, que impediu a vereadora de se posicionar na semana passada, admitiu que foi "um pouco rude", mas disse que quis fazer cumprir o regimento 05/06/2017 às 15:33
Show wilker barreto  phs   tiago correa  3
Wilker Barreto se manifestou na manhã desta segunda-feira (Foto: Tiago Corrêa / CMM)
acritica.com* Manaus (AM)

O presidente da Câmara Municipal de Manaus, vereador Wilker Barreto (PHS), reconheceu na manhã desta segunda-feira (5) que foi descortês com a vereadora Joana D´Arc (PR) no episódio em que negou questão de ordem à parlamentar, durante sessão plenária da última terça-feira (30).

“Vereadora Joana, eu peço até data venia um pouco de desculpa, porque  fui um pouco rude com vossa excelência, porque eu queria fazer cumprir o regimento, o clima já estava exaltado, faz parte do parlamento”, declarou o vereador .

O gesto de Wilker se deu no final da sessão de hoje (5), uma semana após ele impedir a vereadora de se manifestar durante uma sessão que tratava sobre a possível instalação de uma CPI da Manaus Ambiental. Na ocasião, a vereadora Joana D'Arc afirmou que iria à delegacia prestar uma queixa contra o presidente da CMM por assédio moral e psicológico.

Após a confusão. Wilker pediu que a Comissão de Ética da CMM apurasse a conduta dele, e o requerimento foi à discussão hoje. Durante a votação, vários vereadores demonstraram apoio às investigações da Comissão de Ética.

O documento foi aprovado por 32 vereadores dos 35 presentes. Somente os parlamentares Chico Preto (PR), Plínio Valério (PSDB), William Abreu (PR) votaram contra o requerimento.

“Nunca cerceei o exercício de um mandato de um parlamentar. Já participei de debates acirrados aqui.  Se tem uma coisa que eu prezo é o direito do exercício sagrado do mandato desta casa. Assédio e cerceamento do mandato, isso eu nunca pratiquei, por isso peço que a Comissão de Ética investigue os meus atos na condução de todas as sessões deste ano”, argumentou  Wilker.

 

Publicidade
Publicidade