Terça-feira, 28 de Janeiro de 2020
Manaus

Após consecutivas mortes, travessias nas ruas de Manaus exigem atenção redobrada

Terceira morte em apenas um mês na avenida Constantino Nery, Zona Centro-Sul, estimula debate sobre regras para motoristas e pedestres



1.jpg De acordo com o Manaustrans, tanto o pedestre quanto o condutor devem respeitar o uso da faixa para evitar que mais acidentes aconteçam na cidade
31/03/2015 às 14:06

A morte de Maria Núbia da Silva no último domingo na faixa azul da avenida Constantino Nery, Zona Centro-Sul, reacendeu uma antiga discussão sobre a preferência no uso do percurso exclusivo para pedestres. Na ocasião, a aposentada de 75 anos foi atingida por um ônibus enquanto o sinal para ela atravessar na faixa estava vermelho, mas outro veículo teria parado quando a passagem de carros estava permitida. Afinal, o pedestre possui preferência em todos os casos?

De acordo com o diretor-presidente do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização dô Trânsito (Manaustrans), Paulo Henrique Martins, tanto os motoristas quanto os pedestres precisam respeitar o uso das faixas. “Onde tiver semáforo o pedestre tem que esperar o sinal abrir pra ele. Ele precisa apertar o botão e esperar os carros pararem. É uma regra simples, mas que evita acidentes como esse”, apontou ele.



“No caso de faixas sem semáforo, o pedestre tem prioridade para atravessar, mas tem que acenar com a mão e se certificar que todos os veículos pararam antes da faixa. A atenção deve ser redobrada”, concluiu.

Pressa

No local do atropelamento, a auxiliar de enfermagem Maria das Dores Ramos Braga, 46, atravessava na faixa mesmo com o sinal vermelho para pedestres e verde para os carros.

“Não sabia que tinha morrido gente aqui. No meu caso eu atravesso consciente, quando vejo que os carros estão bem distantes”, disse. Ao ser questionada sobre o motivo, ela não hesita em responder: “É a pressa mesmo, estou atrasada para o meu curso, na primeira chance que eu tenho eu atravesso”.

Para o diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM), esse tipo de atitude pode ter consequências graves. “A pressa, tanto no caso de motoristas quanto pedestres pode ser perigosa. Você pode perder a vida em 30 segundos. Um ônibus, por exemplo, precisa de um tempo para fazer a frenagem. Por isso é importante que tanto os motoristas quanto os cidadãos estejam atentos”.

Ele ainda afirma que tanto o Detran-AM quanto o Manaustrans pretendem realizar novos investimentos em campanhas de conscientização sobre o assunto.

Na faixa em frente ao Ginário Reneé Monteiro, a estudante Jeane Nogueira, 15, atravessa a faixa todos os dias e diz seguir as regras da faixa de pedestres. “Passam muitos carros aqui e eu tenho medo, mesmo quando não vem nenhum na rua. Prefiro garantir a minha vida mesmo apertando o botão e esperando”, afirma.

Terceira vítima em um mês

A idosa Maria Núbia da Silva foi a terceira vítima de atropelamento somente neste mês de março na faixa exclusiva do Bus Rapid System da avenida Constantino Nery. Um homem identificado como Oriovaldo Trindade de Oliveira, 59, e médico João Leandro de Oliveira, 69, também fazem parte dos registros desse mês.

No caso da idosa, segundo a Polícia Militar, Maria teria iniciado a travessia da via quando um motorista que trafegava na faixa central lhe deu passagem. Nesse momento, um ônibus da linha 500 atingiu a idosa, arremessando-a a pelo menos 5 metros de distância. Ela chegou a ser atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas veio a óbito na tarde de domingo.

Segundo a Polícia Civil, o motorista do ônibus, identificado como Lindomar Ajuma da Rocha, 32, se apresentou espontaneamente ao 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e por conta da ação, não foi flagranteado. Ainda segundo a PC, o caso foi encaminhado ontem à Delegacia Especializada em Acidentes de Trânsito (Deat), que dará continuidade ao caso.

Saiba mais

Código de Trânsito Conforme o artigo 70 da Lei 9503/97 de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica, onde deverão ser respeitadas as disposições do Código.

O CTB ainda estabelece que nos locais em que houver sinalização semafórica de controle de passagem será dada preferência aos pedestres que não tenham concluído a travessia, mesmo em caso de mudança do semáforo liberando a passagem para veículos.

Em números

São 2.500 faixas de pedestres espalhadas por toda a cidade, segundo última estimativa do Manaustrans. O órgão ainda informou que, somente na avenida Constantino Nery, a quantidade é de 20 faixas, que sinalizam desde a avenida Leonardo Malcher até o viaduto do bairro de Flores.

Voz da Web

“A culpa é sempre do pedestre. Já perceberam? A culpa é da prefeitura que fez um serviço de porco espinho implementando a faixa sem proteção nenhuma nos lados”. Luiz Carlos

“É preciso criar barreiras físicas para baixar a velocidade nas vias de grande fluxo, principalmente em pontos onde há grandes concentrações de pedestres”. Keyce Jhones

“A faixa azul foi feita pra passar ônibus rápido para os usuários e não pra ficar atravessando na imprudência. Lamento pela senhora mas nós temos que nos vigiar”. Monicka Alves

“A realidade é que tá na hora de colocar várias passarelas na avenida Constantino Nery. Até quando vão ficar com essas faixas de pedestres? Está na hora de agir”. Anne Iannuzzi


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.