Publicidade
Manaus
Manaus

Após denúncia, secretário flagra funcionárias de escola servindo pães em vez de almoço para alunos

Pais e professores se reuniram com o secretário municipal de educação e relataram que o almoço não era servido aos alunos desde o mês de março. A escola recebia mensalmente os produtos necessários para a preparação das refeições, entre eles: arroz, macarrão, feijão, farinha, carne, frango e peixe 26/05/2013 às 21:33
Show 1
Pais e professores se reuniram com o secretário e relataram que o almoço e o café da manhã não eram servidosaos alunos desde a implantação do programa
Bruna Souza Manaus, AM

Depois de uma visita surpresa no fim da manhã desta sexta-feira (24), o secretário municipal de educação Pauderney Avelino flagrou funcionárias da Escola Municipal Nova Vida – localizada na rua Jerusalém, bairro Mauazinho, Zona Leste de Manaus –, entregando pães aos alunos no lugar do almoço disponibilizado pelo Programa  de Alimentação Escolar da Prefeitura. O problema resultou no afastamento de uma diretora e de servidores públicos responsáveis pela alimentação das crianças matriculadas no local.

O secretário estava em uma reunião com a comunidade do bairro quando recebeu uma mensagem no telefone celular, informando sobre o problema na escola e imediatamente se deslocou com uma equipe até o local. Ao chegar à cozinha, Pauderney flagrou as merendeiras do turno da manhã entregando pães aos estudantes.

“Isso é inadmissível nas nossas escolas, entrei na cozinha e flagrei a merendeira praticamente jogando os pães em cima dos alunos, como se fossem bichos. Esse não faz parte do nosso procedimento e vamos continuar monitorando todas as escolas’, declarou.

Pais e professores se reuniram com o secretário e relataram que o almoço não era servido aos alunos desde a implantação do programa no mês de março, além da ausência de planejamento escolar e a falta de comunicação e ‘simpatia’ da diretora Marcilene Moraes da Silva no atendimento aos responsáveis e colegas de trabalho.

Segundo o secretário, a gestora foi afastada da administração da unidade escolar e três merendeiras foram demitidas. A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou que as funcionárias chegaram a trancar os freezers com cadeados para que os alunos e outros funcionários não tivessem acesso aos produtos.      

A Semed realiza desde o começo do ano, visitas as unidades escolares municipais com o objetivo de verificar as condições das escolas e o funcionamento do programa de alimentação. Essa é a primeira instituição de ensino onde foram detectadas irregularidades no projeto. A comitiva da secretaria é composta pelo secretário, assessores técnicos, chefes dos distritos e a assessoria de imprensa que vistoriam de forma aleatória e sem informar as diretorias das escolas.

Durante a visita inesperada do secretário a escola, a diretora não estava presente no local, pois havia entrado de férias na última quinta-feira (23). Uma equipe de gestão educacional foi enviada e assumiu a direção da escola, assim como novas merendeiras que irão fazer todas as refeições programadas no projeto de alimentação.

Parte da mercadoria foi encontrada no depósito da Escola Nova Vida. Pauderney informou ainda que será aberto um procedimento administrativo para que a mesma justifique o porquê de não ter disponibilizado a alimentação referente ao almoço e ao café da manhã, sendo que a escola recebia mensalmente do órgão os produtos (insumos) necessários para a preparação das iguarias, como: arroz, macarrão, feijão, farinha, carne, frango e peixe.

"Não toleramos que impeçam um direito fundamental das crianças, que é a alimentação escolar. O processo de melhoria da qualidade da educação passa, obrigatoriamente, por uma boa alimentação e não podemos aceitar mais situações como essas. Vamos intensificar as fiscalizações em todas as escolas. Abrimos um processo administrativo porque queremos saber o que aconteceu para que o almoço não fosse servido aos alunos. Além disso, Vamos denunciar ao Ministério Público do Estado para o que o mesmo venha investigar se houve o desvio dos insumos', afirmou Pauderney.

A Escola Municipal Nova Vida atende mil e duzentos alunos do bairro Mauazinho e regiões adjacentes e foi recentemente entregue a população depois de uma reforma.

Publicidade
Publicidade