Publicidade
Manaus
MEDIDAS

Após licença de Rotta, Arthur exonera funcionários do gabinete do vice-prefeito

Em decreto, prefeito de Manaus atribuiu todas as funções desempenhadas pelo gabinete do vice-prefeito à Casa Civil Municipal 22/08/2018 às 18:43
Show 35482739430 b5787b3f09 h 77ad9a07 bbba 446b 90c4 ef76fb8cb268
Nais Campos Manaus

Pelo menos 27 servidores que trabalhavam no gabinete do vice-prefeito Marcos Rotta (sem partido) já foram exonerados de suas funções administrativas logo após o ex-titular do posto ter assumido um cargo de secretário do governo do Estado no início do mês. Rotta informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não vai se manifestar nessa queda de braço com o prefeito de Manaus.

Uma fonte ligada ao vice-prefeito, porém, declarou que Artur Neto (PSDB) anda irritado com seu vice, “pois suas indiretas não têm surtido efeito e são ignoradas por Marcos Rotta”.

A mesma fonte lembrou que o tratamento dado por Artur a Marcos Rotta não é isonômico com relação ao ex-vice-prefeito e atual deputado federal, Hissa Abrahão. Em 2014, dois anos após ter sido eleito, Hissa deixou a prefeitura (quando foi exonerado do cargo de secretário de Obras) e entrou em campanha para concorrer a uma vaga à Câmara dos Deputados.

“Ele (prefeito) manteve o gabinete do vice até fevereiro de 2015. Um mês depois de o deputado tomar posse é começaram a a exonerar o pessoal. Mas com o Hissa, foi o Artur que  descartou. No caso do Rotta, ele é quem foi descartado”, diz a fonte.

Além de exonerar os funcionários que serviam ao gabinete do vice-prefeito, Artur Neto remanejou todas as atribuições da pasta à Casa Civil. Conforme publicação no Diário Oficial do Município de terça-feira, a situação pode perdurar até o dia 31 de dezembro, quando finaliza a licença concedida pela Câmara Municipal a Marcos Rotta fica, que está à disposição do governo do Estado.

“Conforme a própria publicação do DOM, a medida se embasa nos princípios de economicidade e razoabilidade da administração municipal, uma vez que o vice-prefeito se licenciou do cargo para assumir a função de secretário de Estado da Região Metropolitana”, declarou a prefeitura em nota sobre a dissolvição do gabinete de Rotta.

Revoltados, os ex-servidores admitem estar surpresos com as demissões em massa. “Nossos sentimentos são os piores imagináveis. Logo em ano de eleição, o prefeito Artur resolve exonerar todos os servidores do vice, Marcos Rotta”, desabafou uma funcionária que pediu para não ser identificada.

Outra colega classificou a situação como “absurda e que as providências serão tomadas nos próximos dias”, porém a ex-colaboradora não detalhou quais medidas serão adotadas pelos antigos funcionários.

Remanejados

Em nota, a secretaria de Comunicação da prefeitura reiterou que os funcionários deverão ser reaproveitados em outras funções na Casa Civil e que alguns deixaram o gabinete do vice-prefeito para acompanhá-lo em sua nova função.

“Vale deixar claro que o ato não é político e, sim, meramente administrativo e organizacional”, mencionou a nota.

No documento enviado  à redação, a secretaria ainda negou a informação de que a prefeitura, por retaliação, vai deixar de pagar os salários  dos ex-servidores “como é de praxe da atual gestão, que nunca atrasou o pagamento dos servidores públicos municipais”. “Os demais servidores estatutários, que permaneceram na estrutura municipal, serão remanejadas para a Casa Civil”, disse.

Manobra

Enquanto perdurar a situação de excepcionalidade do afastamento do vice-prefeito de suas funções junto a Prefeitura de Manaus, as atribuições administrativas do gabinete de Marcos Rotta foram transferidas para a Casa Civil. Com a medida, pelo menos 27 servidores foram exonerados pelo prefeito Artur Neto, mas o tucano nega que a manobra seja uma retaliação pela saída de Rotta do PSDB e sua desvinculação da prefeitura.

Publicidade
Publicidade