Publicidade
Manaus
liberados

Após ordem de prisão, três empresas colocam ônibus nas ruas; greve afetou 800 mil

Na Via Verde, quatro linhas deixaram a garagem por volta das 15h40; trabalhadores são a favor da greve, mas sentem que estão sendo usados como “bode expiatório” 17/01/2017 às 15:53 - Atualizado em 17/01/2017 às 18:21
Show whatsapp image 2017 01 17 at 15.50.29
Ônibus da linha 207 deixa a garagem da Via Verde (Fotos: Aguilar Abecassis)
acritica.com* Manaus (AM)

Cerca de duas horas após a Justiça do Trabalho determinar a prisão dos diretores do Sindicato dos Rodoviários, os primeiros ônibus começaram a sair das garagens das empresas. Por volta das 15h40, a reportagem presenciou quatro  ônibus da empresa Via Verde, no Lírio do Valle,  zona Oeste de Manaus. Além da Via Verde, Expresso Coroado e Açaí são as empresas com veículos nas ruas. Todas as outras continuaram paralisadas. A estimativa é de que 800 mil pessoas tenham sido prejudicadas com a greve. 

De acordo com os funcionários da empresa ouvidos pela reportagem, os motoristas e cobradores de todas as empresas foram autorizados pelo sindicato a deixar as garagens, mas muitos temiam iniciar o trabalho com medo de represálias da população, revoltada por conta da greve que afetou pelo menos 500 mil pessoas.

Muitos trabalhadores afirmaram, ainda, serem favoráveis à greve. No entanto, eles acreditam que estão sendo usados como 'bode expiatório' tanto por parte do Sindicato quanto por parte das próprias empresas, que buscam aumento no valor da tarifa de ônibus.

De acordo com informações do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Manaus (Sinetram), foram liberados apenas 50 ônibus da empresa Via Verde, 40 da Açaí e mais 20 ônibus da empresa Expresso Coroado. De acordo com o Sinetram, apesar do sindicato ter liberado as garagens, não há cobradores e motoristas disponíveis para as corridas. 

“Recebemos um ofício do sindicato laboral informando o fim da greve e que haviam pedido aos colaboradores que retornassem as atividades, porém, mais cedo, eles mandaram todo mundo embora e as empresas ficaram impedidas de liberar os carros. Desde o início da manhã o Sinetram tenta colocar os ônibus nas ruas e tentar diminuir o prejuízo da população que utiliza o transporte. Esperamos que amanhã (quarta-feira) tudo volte a sua normalidade”, afirmou o diretor jurídico do Sinetram, Fernando Borges.

A reportagem passou em frente à Garagem da Global Green, empresa que atende a zona leste de Manaus, e viu que os carros estavam todos na garagem, mas não havia funcionários para cumprir as viagens regulares. 

*Com informações da repórter Kelly Melo

Publicidade
Publicidade