Publicidade
Manaus
REAJUSTE

Com novo reajuste, preço da botija de gás de 13 quilos em Manaus pode chegar a R$ 85

Atualmente, o produto está sendo comercializado entre R$ 75 e R$ 78. O aumento é de 8,5%, conforme tabela prevista pela Petrobras 08/11/2018 às 13:35 - Atualizado em 08/11/2018 às 14:00
Show g s 26be66ff 9820 4f0e 9641 4f83c6012372
Foto: Reprodução/Internet
Náis Campos Manaus (AM)

Após o anúncio sobre um reajuste no preço da botija de gás de 13 quilos, a Federação das Empresas Revendedoras de Gás Liquefeito do Amazonas (Fegás) admitiu que o valor já foi repassado ao consumidor pelas distribuidoras. O preço praticado pode ficar próximo a R$ 85 a unidade de gás. Em Manaus, atualmente o produto está sendo comercializado entre R$ 75 e R$ 78. O aumento é de 8,5%, conforme tabela prevista pela Petrobras.

Para o presidente da Fegás, Fernando Feitosa, o lucro das revendedoras é baixo e gira entorno de 15 a 17%. “Esse percentual é em abaixo da média nacional, que hoje é de 30%. Por conta disso, temos 50% das revendas na capital à beira da falência por conta dessa margem muito baixa”, admitiu.

Ainda conforme Feitosa, o grande vilão do aumento do gás no Amazonas são os impostos, como PIS-Cofins e o ICMS. Segundo o presidente da Fegás, para se ter uma ideia o valor total praticado em uma botija , R$ 20 reais. “E, no fim, as revendas ainda têm que pagar os tributos federais chegando a quase R$ 25 só de impostos”, calculou.

Ainda conforme Feitosa, o grande vilão do aumento do gás no Amazonas são os impostos, como PIS-Cofins e o ICMS. Segundo o presidente da Fegás, para se ter uma ideia do valor total praticado em uma botija, R$ 20 vêm de tributos estaduais. “E, no fim, as revendas ainda têm que pagar os tributos federais chegando a quase R$ 25 só de impostos”, calculou Feitoza.

O presidente garantiu ainda que o ICMS no Estado, no valor de R$ 16.68, é o dobro do praticado no Estado do Pará e o triplo no Rio de Janeiro (R$ 5,09).

Na análise da federação, de setembro de 2017 a setembro desse ano, a botija de gás teve elevação no preço de 30% da Petrobras para as revendedoras do Amazonas. “Nesse cálculo, só foi repassado 15% para o consumidor final. A outra metade, as revendas seguraram”, justificou Fernando Feitosa.

Publicidade
Publicidade